A última entrevista dada pela jornalista Susana Naspolini, que morreu na terça-feira (24), vítima de câncer aos 49 anos, foi falando sobre fé e como a consciência sobre a finitude da vida a fez repensar o que é essencial. 

Continua depois da publicidade

Receba notícias do DC via Telegram

Ela conversou com Laine Valgas, no quadro “Fique Bem”, do Jornal do Almoço da NSC TV, em agosto deste ano, e revelou as frustrações ao enfrentar o quinto tratamento contra o câncer. Confira imagens inéditas da entrevista abaixo.

— A fé é no sentido de: eu estou com câncer, fazendo quimioterapia, um tratamento chato, é uma doença perigosa, eu queria estar trabalhando e não estou, eu queria estar a pleno vapor, fazendo milhões de coisas e tive que dar uma parada obrigatória… Mas eu sei que por algum motivo isso está acontecendo na minha vida e eu sei que não estou carregando essa cruz sozinha — disse Suzana.

Florianópolis terá mutirão de cirurgias gratuitas de reconstrução de mamas

Continua depois da publicidade

Com seu jeito leve, Susana deu destaque ao fato de saber que não está enfrentando a doença sozinha e que para ela, isso é ter fé. Ao ser questionada sobre “o que é a vida?”, a apresentadora diz que “viver é estar junto”, honrando sua fama de sempre estar próxima das pessoas que entrevistava nos telejornais por onde passou e também na vida privada.

— A vida é estar com as pessoas que a gente ama. É a gente tentar acordar todo dia um pouquinho melhor do que a gente foi ontem. Ir deixando, por onde a gente passa, uma mensagem boa, um sorriso.

A jornalista descobriu o primeiro câncer aos 18 anos, em 1991, quando estava realizando o sonho de estudar teatro no Tablado, no Rio de Janeiro (RJ). Em 2010, descobriu um nódulo maligno na mama direita e no final do mesmo ano foi diagnosticada com câncer na tireoide. Em 2016, voltou a enfrentar um câncer de mama, que evoluiu para uma metástase nos ossos em 2020. 

Na entrevista, a jornalista conta que a experiência com a doença a fez repensar diversos aspectos da vida.

Continua depois da publicidade

— Ter essa noção de morte, de que a vida é finita, também dá a chance de a gente reavaliar muita coisa — conta a jornalista.

Cor rosa ilumina instituições de saúde em Florianópolis

Susana era conhecida pelo humor, criatividade e por tratar a todos com carinho na frente e por trás das câmeras. Os jornalistas Laine Valgas e Alessandro Bonassoli relembraram o início da carreira, quando estudavam na Universidade de Santa Catarina, em Florianópolis, e a atuação como apresentadora do Bom Dia Santa Catarina em Criciúma. 

Além dos trabalhos na TV, a jornalista também publicou dois livros: “Terapia com Deus”(2021) e “Eu escolho ser feliz” (2019).

Veja a entrevista inédita com Susana Naspolini

Leia também

Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica de SC faz mutirão de cirurgias reconstrutivas gratuitas

Continua depois da publicidade

Catarinense se reinventa durante a pandemia e lança marca de camisetas que transmitem boas energias

Gio Ewbank diz que filho gastou mais de R$ 1 mil em jogos e está de castigo

Destaques do NSC Total