nsc
santa

INOFENSIVAS

Invasão de mariposas em Blumenau intriga moradores

Insetos se agrupam em pontos da cidade próximos a vegetações; especialista explica

13/10/2021 - 17h17 - Atualizada em: 14/10/2021 - 14h20

Compartilhe

Bianca
Por Bianca Bertoli
Mariposas no Centro de Blumenau
Mariposas no Centro de Blumenau
(Foto: )

Silenciosas, inofensivas, mas que têm causado sujeira e chamado atenção de quem passa por calçadas de Blumenau. As mariposas estão em vários trechos da Avenida Beira-Rio, na região central. A invasão mobiliza comerciantes que, preocupados com a má impressão que a grande quantidade dos insetos pode causar ao parar nas fachadas das lojas, limpam os locais diariamente.

> Receba notícias do Vale do Itajaí pelo WhatsApp

Na Rua XV de Novembro e na Avenida Beira-Rio de Blumenau, as mariposas de cor marrom claro estão em vários cantos, principalmente em paredes, luminárias públicas e no chão. Quando caem na calçada, aliás, acabam pisoteadas, liberando uma gosma chamada de hemolinfa. É como se fosse o sangue desses insetos, ilustra o engenheiro florestal, professor da Furb e entomologista Marcelo Diniz Vitorino.

O fluido gruda nas lajotas e o que resta dos animais esmagados são retirados por comerciantes com a ajuda de vassoura e água. Um deles é Silvio Mário Nuhs, proprietário do restaurante e choperia Tunga. Silvio conta que há cerca de duas semanas as mariposas começaram a aparecer. Elas chegam pela madrugada, param sobre um toldo branco atrás do estabelecimento, próximas aos postes de iluminação, e ali ficam imóveis durante horas.

— Há três anos elas aparecem, sempre nesta época. Ficam no máximo um mês e somem. Os globos dos postes estão todos crivados por causa da sujeira delas. Todo dia de manhã temos que limpar a calçada — diz o empresário.

Época de reprodução

Mariposas no Centro de Blumenau
Mariposas no Centro de Blumenau
(Foto: )

Mariposas na passarela que liga a Vila Germânica ao ginásio Galegão
Mariposas na passarela que liga a Vila Germânica ao ginásio Galegão
(Foto: )

Os insetos pousam pela Beira-Rio e outros pontos da cidade que têm algo em comum: a vegetação ao redor. Vitorino explica que só um estudo aprofundado poderia assegurar o motivo da aparição, mas ele tem um palpite. Com a umidade alta e temperatura mais elevada, a época de reprodução desses animais, que ocorre normalmente no final da primavera, foi antecipada. 

Isso significa que as mudanças no tempo neste ano foram propícias para que elas nascessem em grande quantidade (uma mariposa pode colocar centenas de ovos). Elas deixaram de ser larvas, tornaram-se adultas e precisaram sair para se alimentar e concluir o ciclo reprodutivo. 

Como são guiadas pela luz da lua, confundem-se com a iluminação artificial dos postes e ficam agregadas a diversos locais. Pode parecer feio e até assustador para alguns ver tantas ao mesmo tempo, mas elas não fazem mal a ninguém e são importantes à fauna.

Mariposas não são venenosas

As mariposas se alimentam de néctar e contribuem para a polinização. Em contrapartida, servem de alimento para outros insetos, morcegos e aves. Por isso, alerta o especialista, não é recomendado matar esses animais.

— É só não tocar nelas. Vai escurecer e elas vão voar. As mariposas não picam, não mordem, não transmitem doenças, não fazem nada. Se todo mundo começar a matar, isso sim pode causar um desequilíbrio ambiental — enfatiza.

Tempo curto de vida

A Vigilância Sanitária de Blumenau informou que esses insetos não são fiscalizados justamente por não significarem perigo à população. Para evitar que eles entrem nos estabelecimentos, a sugestão da prefeitura é a utilização de telas nas janelas. As limpezas das equipes de Manutenção e Conservação Urbana tampouco foram intensificadas por conta da invasão.

Algumas espécies, quando tocadas, soltam um pó que pode causar irritação na pele, mas nada grave, garante Vitorino. A tendência é que elas desapareçam nas próximas semanas. Primeiro porque, como as primas borboletas, não vivem muito tempo. Segundo, são capturadas pelos predadores. E terceiro é que com a permanência nas áreas urbanas são mortas (indevidamente) por seres humanos.

Leia também

50 propagandas antigas de Blumenau que parecem estranhas, mas que já fizeram sentido

Altenburg confirma inauguração de fábrica de mais de R$ 30 milhões no Nordeste

Força da água no Ribeirão Garcia surpreende moradores de Blumenau após chuva intensa; vídeo

Colunistas