nsc
an

Mobilidade

Joinville quer retomar transporte de pessoas por trens; entenda o projeto

Plano prevê utilizar o sistema que atualmente movimenta cargas e é tido como uma alternativa para a mobilidade regional

12/06/2021 - 06h00 - Atualizada em: 12/06/2021 - 09h08

Compartilhe

Hassan
Por Hassan Farias
Linha férrea em Joinville
Atual linha férrea seria usada também para trens de passageiros
(Foto: )

Joinville começou um estudo preliminar para adoção do transporte de passageiros por trens como uma alternativa para a mobilidade regional no Norte de Santa Catarina. A ideia da prefeitura é utilizar a atual linha férrea, que passa pela área urbana da cidade e também por outros municípios vizinhos, em um modelo compartilhado com os trens de carga.

> Acesse para receber notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

Segundo o secretário de Planejamento Urbano e Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Marcel Virmond Vieira, haveria a necessidade de instalar estações e desvios para operar o transporte, mas sem custos com os trilhos porque seria usada a linha férrea já existente. O desafio é o compartilhamento do espaço com os trens de carga.

Para que o projeto siga adiante é necessária uma autorização da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), do Ministério dos Transportes e da empresa concessionária que hoje opera a linha férrea.

No mês passado, em visita à cidade, o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, recebeu um documento do prefeito Adriano Silva (Novo) com o pedido de apoio junto à concessionária para autorização do uso da malha ferroviária para o transporte de passageiros.

Segundo o secretário de planejamento de Joinville, se o município receber a sinalização positiva das autoridades, tem início a segunda fase de estudos de viabilidade técnica e econômica. Seriam calculadas as demandas do trecho, volume de passageiros, custos de tarifa e operação para entender se há realmente uma viabilidade para o projeto.

– Sendo realista, em um horizonte de quatro a cinco anos estaríamos operando. Nós vemos como uma possibilidade realista. Sempre foi um sonho, mas agora tem um percentual de realidade bem maior – avalia o secretário.

> "Não vamos trabalhar contra o automóvel", diz novo secretário de planejamento urbano de Joinville

Projeto prevê uso da linha férrea de outras cidades do Norte de SC

Vieira aponta que o aumento na confiança aconteceu porque os municípios vizinhos e o Estado começaram a trabalhar juntos para promover a integração regional. O estudo para transporte de passageiros por trens, por exemplo, inclui a utilização da linha férrea de Araquari, Guaramirim, Jaraguá do Sul, São Francisco do Sul e Schroeder.

– Esses deslocamentos intermunicipais, que já são uma realidade no dia a dia de carro na rodovia, com trânsito e demora, poderiam ser feitos no conforto de um veículo extremamente seguro e com internet. Você pode viajar estudando, trabalhando, tendo lazer, fazendo uma refeição. Então, o ganho em qualidade de vida é muito grande – aponta Vieira.

> Carro, moto, ônibus, bicicleta ou a pé: como são feitos os deslocamentos nos bairros de Joinville

A ideia de usar os trilhos de trem não é nova. Estudos anteriores visando o aproveitamento da infraestrutura com finalidade turística após a conclusão do contorno ferroviário já foram feitos.

As obras paralisadas em 2011 previam a criação de um novo traçado para os trens de carga fora da área urbana da cidade – os trilhos antigos seriam usados para o turismo. No entanto, não há previsão de conclusão, já que o investimento está estimado em mais de R$ 400 milhões.

Trilho de trem na região Sul de Joinville
Trilho de trem na região Sul de Joinville
(Foto: )

Especialista aponta benefícios do transporte por trens 

A especialista em infraestrutura de mobilidade urbana e professora da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) em Joinville, Renata Cavion, é uma defensora do sistema ferroviário e vê como positiva a retomada de um modelo de transporte de passageiros que já foi muito importante para o desenvolvimento da cidade no passado.

– A inserção desse novo modo de transporte tende a ser positiva porque se almeja a reorganização dos fluxos. Isso significa que a inserção desse modal vai diminuir a sobrecarga que a gente tem no modo rodoviário. Mas para isso é fundamental que ele seja integrado à demanda que já existe – explica ela.

Renata aponta alguns aspectos positivos na implantação do transporte de passageiros por trens: a velocidade dos deslocamentos; o impacto ambiental porque os trens emitem menos poluentes do que os veículos motorizados, e a ocupação do solo, com tendência de valorização das áreas no entorno do trilho.

“É transporte, mas também qualidade de vida”, diz professora

Por outro lado, a especialista destaca a necessidade de garantir a segurança do sistema e dos veículos que vão circular próximos da ferrovia. E ainda ressalta que o levantamento de dados é fundamental no projeto de implantação para entender os deslocamentos que acontecem na região, por exemplo.

– Ter esse estudo de quantidade de pessoas, motivo e horário de viagem entre essas cidades é fundamental para conseguirmos ver o quão eficiente e a contribuição que pode trazer não só para Joinville, mas para toda a região – indica ela.

> Câmara de Joinville volta a analisar proposta sobre "fechamento" de ruas sem saída

Na visão da professora da UFSC, a criação de uma estrutura urbana regional também oferece às pessoas uma liberdade maior para que escolham onde querem morar, trabalhar e estudar. Com uma opção de transporte de passageiros por trem, torna-se possível o deslocamento entre as cidades de uma mesma região com mais facilidade e rapidez.

– A gente está falando de transporte, mas também de qualidade de vida, de escolhas individuais e no fim, da felicidade dos cidadãos – conclui Cavion.

Leia também:

Nova lei dos pedágios poderá ter impactos também no tráfego “urbano” da BR-101 em Joinville

“Joinville tem estrutura para receber qualquer tipo de vacina”, diz Adriano sobre a sequência da imunização

Colunistas