A rodovia tem bom asfalto, conta com acostamento largo e boa sinalização. Divisórias de concreto e canteiros centrais passam segurança contra o risco de batidas frontais. A pista é duplicada. Em alguns trechos de subida, chega a ter uma terceira faixa, o que facilita a ultrapassagem de caminhões que rodam à direita. Os veículos de carga, aliás, passam por balanças paralelas ao trecho. Há ainda pistas auxiliares que dão acesso da via principal às cidades no entorno, que oferecem serviços aos motoristas.

Continua depois da publicidade

Receba notícias do DC via Telegram

A sensação de quem roda por grande parte da BR-101 em Santa Catarina é de que a viagem rende. Ela foi considerada justamente a melhor rodovia do Estado em ranking da Confederação Nacional do Transporte (CNT) de novembro deste ano, elaborado após a entidade ter rodado 110 mil quilômetros de estradas pavimentadas no país. Na régua geral, foi a 22ª de 510 trechos ranqueados.

A reportagem do NSC Total percorreu em uma viagem de 2.339 quilômetros a BR-101 e as outras 15 rodovias catarinenses ranqueadas pela pesquisa, para conferir in loco a situação de todas elas. A jornada que atravessou o Estado do litoral à fronteira com a Argentina, tocando as divisas com o Paraná e o Rio Grande do Sul e passando por 96 municípios, durou oito dias, entre o fim do mês passado e o início de dezembro. Ao final, foram visitadas 19 rodovias, incluindo três não elencadas pela CNT.

Piores rodovias de SC têm péssimo asfalto, abandono, insegurança e sinalização ruim

Continua depois da publicidade

O trecho da BR-101 em Santa Catarina, que atravessa o litoral de Garuva a Passo de Torres, é concessionado. Da divisa com o Paraná até Palhoça, ele é gerido pela Autopista Litoral Sul, controlada pela Arteris. De lá ao Rio Grande do Sul, a pista fica a cargo da CCR Via Costeira.

A segunda melhor rodovia de Santa Catarina na avaliação da CNT, a BR-116, é outra sob concessão no Estado, da Autopista Planalto Sul. Ela também corta verticalmente Santa Catarina, mas na região serrana.

SC tem duplicações lentas de BR’s e licitações desertas nas estradas estaduais

Em seu estudo, a CNT identifica que, historicamente, trechos sob concessão têm melhores condições do que os que estão sob gestão pública. Em 2022, 69% dos concessionados no país foram considerados ótimos ou bons, índice que cai a 24,7% no caso dos públicos — o especial KM por KM identificou que a regra se mantém em Santa Catarina ao circular também pelos piores trechos do Estado.

A entidade atribui isso aos investimentos serem maiores nas rodovias pedagiadas. Em 2021, ano com dados consolidados mais recentes, cada quilômetro concessionado recebeu R$ 404,15 mil em investimentos, valor que despencou para R$ 113,73 mil nas estradas públicas federais.

Continua depois da publicidade

Rodovias de SC mobilizam orçamento incerto, novos modais e concessões

A título de comparação, a BR-282, a maior rodovia de Santa Catarina, com 653 quilômetros e gerida pelo poder público, recebeu cerca de R$ 696 milhões em investimentos de 2012 ao ano passado, uma média anual de R$ 106,6 mil por quilômetro no período, segundo dados do Dnit.

Já a Autopista Litoral Sul colocou R$ 5 bilhões nos 405 quilômetros sob sua concessão, que incluem também parte das BR’s 116 e 376 no Paraná, em quase 15 anos (média anual de R$ 823 mil/km); a Autopista Planalto Sul, que se estende por 413 quilômetros e também tem trecho paranaense, investiu R$ 1,8 bilhão no mesmo período (média anual de R$ 290 mil/km); e a CCR Via Costeira aplicou R$ 300 milhões em 220 quilômetros com dois anos e meio de concessão (média anual de R$ 545 mil/km).

Confira todas as reportagens do especial KM por KM

Em Santa Catarina, mesmo os trechos concessionados, no entanto, têm gargalos. Na BR-101, a viagem a bordo do carro do NSC Total rendia desde Itajaí ainda que debaixo de chuva fina, mas parou em um congestionamento na Grande Florianópolis. O motivo da vez era um acidente na altura do Km 201, em São José, entre uma moto e um carro de passeio. Não houve feridos.

A cena é comum a outros perímetros urbanos da BR-101, que, além de funcionar como corredor logístico, absorve o fluxo de turistas do litoral catarinense e o trânsito urbano de seis das 10 cidades mais populosas do Estado — Joinville, Itajaí, São José, Florianópolis, Palhoça e Criciúma. Por conta disso, o trecho tem sob discussão alternativas que possam aumentar a sua capacidade, como o recente plano de construir uma rodovia estadual que seguiria paralela à via federal do Norte Catarinense à Biguaçu.

Continua depois da publicidade

Há ainda outro projeto bem mais antigo para desafogar a BR-101, que deveria ter sido entregue em 2012, mas segue até hoje em obras. Trata-se do contorno viário da Grande Florianópolis, uma pista alternativa de 50 quilômetros para veículos de carga que parte de um desvio na BR-101 em Governador Celso Ramos, por onde a reportagem passou, atravessa Biguaçu e São José, e volta à rodovia federal em Palhoça. A Arteris prevê o término hoje para dezembro de 2023.

Já na BR-116, que tem bom asfalto, acostamento amplo e boa sinalização, o gargalo fica por conta da pista simples na maior parte do trecho. Na ocasião em que rodou pela rodovia, a reportagem cruzou por uma fila gigantesca de caminhões que se estendiam da subida à Serra, na altura do km 100, ao km 76.

Veja imagens das histórias das melhores estradas de SC

Trânsito chega a ficar paralisado na BR-101 em gargalos urbanos, como na Grande Florianópolis (Foto: Tiago Ghizoni/DC)
BR-116 tem boas condições de pista, mas tem filas de caminhões em pista simples (Foto: Tiago Ghizoni/DC)
Reportagem encontrou congestionamento de cerca de 25 quilômetros na BR-116 (Foto: Tiago Ghizoni/DC)
Caminhão na boa SC-157 derramou diesel na pista sem ter onde parar após ter quebrado (Foto: Tiago Ghizoni/DC)
Caminhoneiro Luiz Wilson LeitE aguardava socorro sem sinal de celular nem serviços à beira da SC-157 (Foto: Tiago Ghizoni/DC)

No meio do congestionamento com veículos já parados, Cezar Cembalista, que levaria pneus em uma van até Timbó Grande, relatou ter demorado uma hora e meia para chegar de Papanduva até ali — no sentido contrário, livre de filas, o carro do NSC Total levou 25 minutos.

— É uma rodovia bem boa, é pedagiada. É só a questão do trânsito que está bem parado, mas vale à pena pagar pela pista — ponderou o motorista, que circula diariamente pelo trecho.

Continua depois da publicidade

Ele atribuiu a fila às chuvas que, na ocasião, também deixaram interdições na BR-101 na altura do Morro dos Cavalos, em Palhoça, e na BR-376 em Guaratuba, na subida de Santa Catarina para Curitiba, onde um deslizamento de terra matou duas pessoas — ambos os trechos são também geridos pela Arteris.

A reportagem também passou pela BR-116 no dia seguinte, desta vez na direção oposta, a que tinha a procissão de caminhões na manhã anterior. O trecho seguia com fluxo intenso, mas fluindo melhor. A lentidão maior se deu na subida à Serra, quando veículos de carga circulavam a 20 km/h na pista simples.

O carro do NSC Total ainda rodou por trechos em boas condições de rodovias estaduais. O melhor deles foi o da SC-486 entre Itajaí e Brusque. A pista que dá acesso à BR-101 é, assim como a federal, duplicada. Ela ainda conta com bom asfalto, sinalização adequada e divisória entre os dois sentidos, além de ciclovia e redutores de velocidade nos perímetros urbanos.

No Meio-Oeste, o trecho da SC-355 entre Videira e Lebon Régis, por onde circulam caminhões carregados de toras de pinus, que compõem a paisagem com plantações de milho e trigo, também apresenta bom asfalto e sinalização adequada. A pista, contudo, é simples e tem muitas curvas.

Continua depois da publicidade

Mais ao Oeste, a SC-157, que se estende de São Lourenço do Oeste, na divisa com o Paraná, a Chapecó, tem bom asfalto e, apesar de ser simples, conta com terceira faixa nas subidas.

Ainda assim, a estrada tem pontos a melhorar: os principais deles são o acostamento reduzido e a falta de serviços. Na altura de Quilombo, quando a rodovia chega à ponte que cruza o rio Chapecó, a reportagem encontrou Luiz Wilson Leite parado com seu caminhão na lateral direita, tomando parte da primeira faixa da descida. Uma mangueira de diesel se rompeu no motor, e o caminhoneiro derramou o óleo na descida até encontrar um lugar minimamente seguro para parar, mas não ideal para isso.

— De cima da serra até aqui, o único lugar que achei foi esse, porque não tinha onde parar. A rodovia está boa, pode ser que o meu caso aconteceu onde não tinha um ponto de parada — lamentou.

Leite ainda não havia conseguido chamar socorro do local, sem sinal de celular e isolado entre plantações e áreas de mata. O caminhoneiro esperava por um agricultor que havia passado antes por ali para que lhe trouxesse ao menos água. De volta à estrada, a reportagem voltou a ter rede só nove quilômetros depois e, a 16 dali, encontrou um posto de combustíveis, já dentro da pequena cidade de Coronel Freitas. Foi esta a melhor rodovia pela qual o carro do NSC Total circulou na região.

Continua depois da publicidade

Veja vídeo sobre como foi a viagem

Destaques do NSC Total