nsc
    hora_de_sc

    (i)mobilidade

    Mais guardas, guinchos e plano de ação: como a prefeitura quer evitar o caos no trânsito de Florianópolis

    Prefeito Gean Loureiro definiu medidas práticas e de curto prazo que serão feitas após a situação desta quinta-feira (12)

    13/12/2019 - 12h41

    Compartilhe

    Lucas
    Por Lucas Paraizo
    Trânsito
    (Foto: )

    O caos que atingiu o trânsito de Florianópolis nesta quinta-feira (12) motivado por uma série de acidentes, um ônibus danificado na SC-401 e o temporal no fim da tarde já causou reações por parte da prefeitura da Capital e do governo do Estado. Ações como o aumento do número de guardas municipais nas ruas auxiliando o trânsito e também a contratação de mais guinchos já foram confirmadas pela prefeitura, enquanto o Ministério Público recomendou ao Estado um guincho 24 horas na SC-401 — a rodovia estadual mais movimentada de Santa Catarina.

    Em entrevista ao Diário Catarinense, o prefeito de Florianópolis Gean Loureiro citou as ações de curto prazo que já estão a caminho para evitar situações como a desta quinta, e cobrou também uma comunicação melhor com o governo do Estado. Confira:

    Reportagem: De forma concreta, o que a prefeitura já alinhou para resolver ou evitar problemas como o desta quinta no trânsito?

    Gean: Primeiro a contratação dos agentes de trânsito, já é algo decidido, autorizado. Já estão no processo administrativo para essa contratação. O chamamento de 25 guardas municipais que iniciam o curso na semana que vem, mas já vão ter parte do período atuando diretamente no trânsito da cidade. Fora isso, a gente tem as ações imediatas, como por exemplo os veículos de coleta da Comcap. Eu já determinei e se inicia no dia 15, a coleta modifica o seu horário principalmente no caminho das praias, ele não transita mais no horário de pico, só na madrugada. Precisa de um tempo para comunicar a população, avisa sobre a hora de colocar o lixo orgânico, para evitar o transtorno. A gente tá vendo com o governo do Estado se eles vão partir para uma contratação emergencial (do guincho 24 horas), fora isso a prefeitura já tem uma licitação e no dia 7 de janeiro abre o processo, para colocação de mais três guinchos em Florianópolis. Já cedemos o terreno da Comcap para colocar um que vai atender a SC-401 e a SC-404, que é o ponto mais critico (no Norte da Ilha), e mais dois que vamos decidir onde ficarão com base nos registros de veículos quebrados ou acidentes.

    E além das ações imediatas?

    Nós estamos preparando uma série de ações que vão ser anunciadas na quinta-feira (dia 19), algo que já estava em andamento, para melhoria da mobilidade. Uma coisa é ação emergencial quando acontece o caos, outra coisa é a mobilidade, que aí é investimento no sistema viário que a prefeitura já vem realizando, prioridade pro transporte coletivo, reavaliação de cobrança de tarifas, e estudar o formato do próprio uso da Ponte Hercílio Luz na prioridade do ônibus.

    A falta de uma decisão rápida entre Estado e município piorou o tempo de resposta nesta quinta-feira. O Estado pede que a prefeitura tome a frente em relação à SC-401. Como está essa negociação?

    Temos que trabalhar em conjunto, eu não estou aqui trazendo responsabilidade de ninguém. O prefeito cuida da cidade como um todo, mas nós estamos falando de uma rodovia estadual. São eles que fiscalizam, eles que recebem o recurso das multas. O que tem que acontecer é o secretario estabelecer uma prioridade para que o valor das multas arrecadado possa reverter para um atendimento mais rápido. A prefeitura não vai se negar a atender.

    Como a prefeitura pode usar inteligência e tecnologia para acelerar a resposta nessas situações?

    Já temos a central de inteligência do trânsito, agora estamos envolvendo na central toda a estrutura da Defesa Civil para prever fenômenos meteorológicos que possam precisar de ação na mobilidade, essa é a novidade do verão. Agora estamos tendo uma análise muito precisa. Ontem a gente viu, vai cair chuva, vai ter granizo, vai acabar em duas horas. O trânsito a gente já sabia que ia virar um caos. Quando acontece isso como que a gente pode agir? E aí o comitê de gerenciamento de mobilidade, que envolve todos os órgãos, PMRv, tem que ter uma integração ainda maior. Se PMRv e governo do Estado dependiam do guincho da Transol e se no dia ele está quebrado, a gente já tinha que ter a comunicação imediatada pra liberar o guincho da ponte e não esperar.

    Monitoramos a noite toda, e hoje (sexta-feira) já tem muita coisa acontecendo. Eu determinei hora extra para todos os guardas municipais. Nós vamos ter o dobro de efetivo hoje já, e isso tem um custo. Dobro de efetivo não para ficar parado, mas para auxiliar o trânsito. A gente quer nas rodovias ampliar a velocidade média. Não é permitir andar mais rápido, é que quando você tem um agente de transito acelerando o transito, você ganha velocidade media.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas