nsc
an

Investigação

Médicos de Joinville suspeitos de fraudar ponto no Hospital Regional têm salários de até R$ 20 mil

Onze profissionais são investigados pela Polícia Civil e podem responder pelo crime de falsidade ideológica

15/12/2020 - 10h39

Compartilhe

Hassan
Por Hassan Farias
Hospital Regional Hans Dieter Schmidt
Hospital Regional Hans Dieter Schmidt
(Foto: )

Os 11 médicos de Joinville investigados por suspeita de fraudar o registro do ponto de trabalho no Hospital Regional Hans Dieter Schmidt têm salários que variam de R$ 9 mil a R$ 20 mil por mês. Segundo a Polícia Civil, eles registravam as digitais e saíam da unidade sem cumprir a jornada integral, voltando apenas no fim do expediente para marcar a saída.

> Quer receber notícias de Joinville e Norte de SC por WhatsApp? Clique aqui

Os suspeitos são médicos concursados pelo Estado e deveriam cumprir carga horária de 80 horas presenciais mensais no Hospital Regional. Segundo o delegado da Divisão de Investigação Criminal (DIC), Rafaello Ross, entre os investigados há profissionais com vínculo funcional de até 20 anos. Outros têm vínculo de cinco anos com o Estado.

Os nomes dos profissionais investigados e as especialidades de cada um não foram divulgadas pela Polícia Civil. A investigação apontou que eles chegavam ao hospital, marcavam o ponto e saíam para realizar atividades pessoais.

- Eles iam realizar as mais variadas atividades particulares, como atendimento em clínicas, compras no comércio e atividades esportivas. Retornavam no final do expediente apenas para marcar o fim da jornada de trabalho - conta Ross.

Dois médicos investigados foram encontrados dormindo em casa na manhã desta terça-feira, quando deveriam estar cumprindo expediente no hospital. De acordo com o delegado, ambos registraram o ponto na manhã de segunda-feira e não voltaram para marcar a saída.

Apesar disso, Rafaello aponta que os 11 suspeitos representam apenas uma pequena parcela do total de 200 médicos que trabalham no Hospital Regional Hans Dieter Schmidt.

- É um universo de 5% de médicos que atuaram com esse desvio de conduta. Portanto, é preciso valorizar os profissionais que estão na linha de frente, principalmente no combate à Covid-19, com UTI lotada e sobrecarga de trabalho.

Leia mais

> Com 98% de ocupação, Joinville abre dez novos leitos de UTI exclusivos para Covid-19

> Futuro da passagem do ônibus em Joinville vira dilema

> Eleição para vereador em Joinville: dois partidos são alvos de ações judiciais

Colunistas