nsc
dc

Deu zebra

Megaoperação contra o jogo do bicho em SC sequestra imóveis milionários em Florianópolis

Ação da delegacia responsável por apurar crimes de lavagem de dinheiro cumpre mandados na Capital e mira carros e imóveis de luxo

12/05/2022 - 07h01 - Atualizada em: 12/05/2022 - 11h17

Compartilhe

Paulo
Por Paulo Batistella
Polícia sequestrou imóveis e veículos ao longo da operação
Polícia sequestrou imóveis e veículos ao longo da operação
(Foto: )

Uma operação contra o jogo do bicho cumpre nove mandados de busca e apreensão em Santa Catarina na manhã desta quinta-feira (12). A Polícia Civil também sequestra cerca de R$ 20 milhões em bens adquiridos através da prática ilegal pelos investigados.

Entre eles estão imóveis de luxo localizados em Florianópolis, onde se concentra o cumprimento dos mandados. Ao todo, a ação policial mirou 18 imóveis, 19 veículos e uma empresa que, segundo a polícia, era utilizada para lavar dinheiro do jogo do bicho.

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Trata-se da maior operação da história do Estado contra o crime de jogo no bicho quando se fala em volume de bens bloqueados e indisponibilizados, segundo o delegado Jeferson Costa afirmou à reportagem. Ele integra a Delegacia de Investigação à Lavagem de Dinheiro (DLAV/Deic), à frente da operação. 

O bloqueio dos bens pela Operação Deu Zebra visa, segundo a Polícia Civil, sufocar financeiramente o grupo investigado, que explorava jogos de azar na Grande Florianópolis.

Também de acordo com a corporação, os investigados detêm um longo histórico policial relacionado ao jogo do bicho e faziam uso dos ganhos ilegais para adquirir bens de luxo em nome de laranjas, que blindavam os verdadeiros beneficiados no esquema. Os suspeitos também movimentavam grandes quantidades de dinheiro.

Foi a partir disso, inclusive, que surgiu a investigação, quando, em 2021, foi aprendida uma quantia significativa de valor em espécie junto ao líder do grupo investigado, em uma central do jogo do bicho localizada no bairro Capoeiras, em Florianópolis.

A operação também localizou dispositivos eletrônicos de mineração de criptoativos. A suspeita policial é de que o aparato também tenha sido obtido com recursos do bicho.

Leia mais

Bicheiros catarinenses são suspeitos de usar criptomoedas para lavar fortuna, diz polícia

Cidades de SC têm operação contra casa de câmbio que girou R$ 1 bilhão

'Fábrica' de pornografia infantil em SC existia há 20 anos e fez centenas de vítimas, diz PF

Colunistas