nsc
santa

OPERAÇÃO ABUSOU

'Fábrica' de pornografia infantil em SC existia há 20 anos e fez centenas de vítimas, diz PF

São cerca de 200 mil arquivos agora sob análise da Polícia Federal; material era enviado aos EUA e à República Tcheca

28/04/2022 - 13h46 - Atualizada em: 29/04/2022 - 15h03

Compartilhe

Por Paulo Batistella
Operação na manhã desta quinta-feira (28) encontrou conteúdo de pornografia infantil no computador de um fotógrafo de Balneário Camboriú.
Operação na manhã desta quinta-feira (28) encontrou conteúdo de pornografia infantil no computador de um fotógrafo de Balneário Camboriú.
(Foto: )

O esquema de produção e distribuição de pornografia infantil descoberto em Santa Catarina existia desde 2001, de acordo com a Polícia Federal. O esquema fez ao menos 120 vítimas com idade entre 4 e 18 anos e os investigadores apuram o conteúdo de ao menos 200 mil arquivos que teriam sido enviados ao exterior.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

O grupo,conforme a PF, convencia crianças e adolescentes a serem fotografadas e filmadas em poses sensuais sem roupas íntimas ou apenas com peças de banho ao oferecer um suposto agenciamento de modelos. A justificativa era de que o material era exigido por empresas contratantes.

No entanto, as fotos e vídeos eram comercializados na deepweb, como é chamada a camada da internet em que o rastreio e a exposição dos dados são restritos, o que favorece atividades ilícitas. Em Balneário Camboriú, no litoral catarinense, foi preso um fotógrafo acusado de integrar o grupo.

Ao todo, 10 pessoas foram indiciadas. Os mandados de busca e apreensão da operação, expedidos pela Justiça Federal em Itajaí, são cumpridos ainda em Porto Alegre, no Rio de Janeiro, em São Paulo e em Santana do Parnaíba, outra cidade paulista.

São cerca de 200 mil arquivos agora sob análise do Serviço de Repressão a Crimes de Ódio e Pornografia Infantil da Polícia Federal (Sercopi), sediado em Brasília. Eles eram obtidos por compradores de outros países, como República Tcheca, Estados Unidos e Rússia, que expressavam interesse em abuso infantil em comentários na deepweb.

Devido à abrangência internacional dos crimes, a investigação teve apoio da Interpol, localizado na cidade francesa de Lyon, e da Agência de Investigações de Segurança Interna (HSI, na sigla em inglês), da Embaixada dos Estados Unidos.

Os indiciados pela Operação Abusou devem responder, na medida de suas participações no esquema, pelos crimes de organização criminosa, violação sexual mediante fraude, importunação sexual, assédio sexual, registro não autorizado da intimidade sexual, disponibilização de material pornográfico e estupro de vulnerável. 

Saiba mais sobre o esquema de pornografia infantil em SC no vídeo

Leia mais

Caso chocante de estupro de crianças é revelado após tentativa de sequestro em Pomerode

Pai faz relato emocionante sobre filha assassinada em Treze Tílias: "Minha princesa"

Cidades de SC têm operação contra casa de câmbio que girou R$ 1 bilhão

Colunistas