nsc
dc

ELEIÇÕES 2022

Militares rejeitam convite para teste de segurança da urna eletrônica

Alas das Forças Armadas alegam suposta vulnerabilidade e não vão participar das ações promovidas pelo TSE nesta semana

23/11/2021 - 10h21

Compartilhe

Redação
Por Redação DC
Militares rejeitaram convite para participar de testes públicos das urnas eletrônicas
Militares rejeitaram convite para participar de testes públicos das urnas eletrônicas
(Foto: )

Militares decidiram rejeitar o convite para participar do teste público de segurança das urnas eletrônicas, promovido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). As Forças Armadas teriam decidido ficar de fora da ação por entender que uma eventual participação daria mais credibilidade ao teste e à segurança da urna – o que é contestado não só por militares, como pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), mas sem apresentação de provas. As informações foram publicadas pela CNN Brasil.

Urna eletrônica no Brasil: conheça a história e como funciona a segurança do equipamento

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Segundo a emissora, os militares consideram o modelo atual "suscetível a falhas" e que poderia "afetar o resultado das eleições em 2022". Até o momento, no entanto, não houve demonstrações de como as urnas poderiam estar vulneráveis. Mesmo assim, o Ministério da Defesa estaria avaliando como informar ao TSE a percepção dos militares sobre o voto eletrônico, que é usado no país desde 1996.

Ainda segundo a CNN, os militares alegam que a segurança do processo eleitoral não poderia ser reduzida à abertura do código-fonte, medida feita mais de um ano antes das eleições, e estaria preparando outros questionamentos a apresentar ao TSE.

As medidas para atestar a segurança da urna eletrônica ocorrem nesta semana. Trata-se da 6ª edição do chamado Teste Público de Segurança (TPS), em que 26 invesigadores tentam executar 29 planos de ataque contra as urnas que serão usadas no próximo ano. O TSE busca, com isso, garantir a segurança e identificar possíveis vulnerabilidades. Os testes ocorrem desde 2009.

Em agosto, a Câmara dos Deputados rejeitou o projeto que tentava instituir o voto impresso a partir das próximas eleições. O resultado contrariou o interesse do presidente Jair Bolsonaro, que defendia a medida.

Leia também

Urna eletrônica já deu 160 anos de mandato a deputados de SC que defenderam voto impresso

Voto impresso: veja como funciona e entenda a polêmica

Vítimas de desabamento de calçada em Joinville recebem alta hospitalar

Colunistas