nsc
an

prêmio inusitado

Morador de Joinville ganha porco na rifa da fazendinha

Guilherme Tavares ficou em terceiro lugar entre os vencedores do prêmio, mas não deve ficar com o animal

21/09/2021 - 16h32

Compartilhe

Por Marcelo Henrique
ganhador do porco
Guilherme foi um dos premiados na rifa da fazendinha
(Foto: )

O biomédico Guilherme Tavares ganhou um porco da tão falada "rifa da fazendinha", que foi sorteada por uma escola de Nova Veneza, no Sul de Santa Catarina. O morador de Joinville ficou em terceiro lugar entre os premiados, que foram divulgados nesta segunda-feira (20). A rifa custava R$ 2 e teve 49 mil números vendidos.

> Acesse para receber notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

Guilherme ficou sabendo da rifa por meio da postagem de um ex-professor nas redes sociais, e decidiu adquirir os bilhetes, sem pretensão nenhuma de ganhar. O motivo da compra é curioso, ele resolveu tentar a sorte para ajudar, e também queria “salvar um dos bichinhos”, porque é vegetariano.

Apesar de ganhar o prêmio, Guilherme não deseja ficar com o animal, já que mora em apartamento e não teria como cuidar dele. Agora, o biomédico procura por ajuda para alojar o bichinho.

- Foi muito bom, mas eu estou um pouco desesperado porque eu não sei onde vou colocar o porco - revela.

Relembre o caso:

A leitura da premiação de uma rifa realizada pela escola Escola Básica Municipal Bairro Bortolotto fez parlamentares caírem na gargalhada durante uma sessão na Câmara de Vereadores no dia 31 de agosto, e viralizou nas redes sociais. O objetivo da iniciativa é custear a festa do dia das crianças.

Um vídeo mostra o momento que a vereadora e professora Elisabeth Bortolotto (PP) faz a leitura de cada um dos 15 prêmios que foram sorteados. Entre eles estão porcos, torresmo, galinha-choca com pintinhos, salames e queijos.

Veja o vídeo que viralizou:

*Sob supervisão de Lucas Paraizo

Leia também:

Câmara de Joinville recebe projeto sobre cannabis medicinal

Operação combate "gatos" de energia e moradores protestam em São Francisco do Sul

Laudo sobre morte de bebê em Garuva pode descartar agressões físicas; entenda o caso

Colunistas