A Polícia Civil já tem os primeiros suspeitos na investigação sobre a morte da técnica em enfermagem Yara Filomena Werner da Silva, de 46 anos, que teve seu corpo carbonizado e encontrado em Florianópolis na manhã de segunda-feira (4), seis dias após ter desaparecido.

Continua depois da publicidade

> Receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp

Os nomes são investigados agora pela Delegacia de Homicídios (DH) da Capital, que colhe novos depoimentos nesta quarta (6), processo que foi iniciado no dia anterior. O delegado à frente do caso, Ênio Mattos, afirmou, no entanto, que não houve pedidos de prisões temporárias até aqui e não revelou quem são ou qual o perfil dos suspeitos.

O telefone celular de Yara, com o qual ela estava no dia de seu desaparecimento, ainda não foi encontrado. À reportagem, Mattos afirmou que ele também pode ter sido queimado pelo autor do crime — não foram encontrados, no entanto, eventuais restos do aparelho nem qualquer outra prova material sobre o caso, segundo o delegado.

Mattos não confirmou, ainda em contato com a reportagem, se o então companheiro de Yara está entre os possíveis culpados pelo crime. Em dezembro de 2018, a técnica em enfermagem foi orientada pela polícia a pedir medida protetiva contra ele ao registrar um boletim de ocorrência (BO), o que ela, contudo, não levou à frente.

Continua depois da publicidade

O registro era parte de quase 30 ocorrências envolvendo Yara, que foram identificadas quando o sumiço da técnica em enfermagem ainda era investigado pela Delegacia de Polícia de Pessoas Desaparecidas (DPPD). Eles tratavam de situações diversas, o que incluía ameaças, crises familiares e conflitos domésticos, com o atual e ex-companheiros.

Os boletins passaram a ser revisados pela investigação de homicídios quando a hipótese de desaparecimento foi refutada, há dois dias, após a Polícia Militar, acionada por um funcionário de um condomínio ainda não habitado no bairro do Itacorubi, ter encontrado o corpo de Yara carbonizado no meio de um matagal.

Antes mesmo da vítima ser identificada, o que exigiu do Instituto Geral de Perícias (IGP) um exame pela arcada dentária, já que não era possível sequer reconhecer o gênero do corpo, a DPPD já havia deixado a equipe que apura homicídios de sobreaviso, por entender que o perfil de Yara não indicava um desaparecimento por vontade dela própria.

Yara era uma profissional ativa no Hospital Universitário da Universidade Federal de Santa Catarina (HU-UFSC), onde atuava desde 2006, e uma mãe muito apegada aos três filhos — uma menina, de sete anos, e dois meninos, de 12 e 14 anos, este último portador de paralisia cerebral.

Continua depois da publicidade

Para entender o perfil dela, a DPPD passou a conversar com familiares e colegas de trabalho da vítima, de maneira também informal, na última quinta (31), quando foi registrado o suposto desaparecimento pela família. Yara havia saído de casa na tarde de segunda (29) para ir ao trabalho, segundo familiares relataram à polícia, mas não chegou a aparecer no local desde então. 

Na manhã de terça (5), a família comunicou que o corpo não seria velado, apenas sepultado no Cemitério Municipal Itacorubi São Francisco de Assis em cerimônia a partir das 11h30. No mesmo dia, o Colégio de Aplicação da UFSC, onde os filhos de Yara estudam, suspenderam as aulas em manifestação de luto.

Leia mais

SC tem quase uma ação judicial por dia por crime de stalking desde sanção da lei

Violência contra a mulher: especialistas apontam como mudar cenário de abusos em SC

SC registra quatro casos de agressão por hora em 2021

Destaques do NSC Total