nsc
hora_de_sc

Polícia

“Mulher espetacular, sempre feliz”, diz prima de vítima de feminicídio em Florianópolis

Tatiana Cardoso de Lima foi assassinada pelo ex-companheiro na tarde de segunda-feira (8)

09/02/2021 - 13h00 - Atualizada em: 09/02/2021 - 18h05

Compartilhe

Catarina
Por Catarina Duarte
Tatiana era a primeira a tomar inciativa para reunir a família
Tatiana era a primeira a tomar inciativa para reunir a família
(Foto: )

Tatiana Cardoso de Lima, 43 anos, era a primeira a tomar iniciativa para reunir os familiares em festas. A celebração de Ano Novo foi compartilhada por ela nas redes sociais. O sorriso estampado no rosto era sinônimo da felicidade após anos de sofrimento, lembra a prima Rochelle Nara Pereira.

— Ela era uma mulher espetacular, sempre feliz. Era ela que tomava a iniciativa de reunir a família para festas. Estava todo final de semana dando um jeito de reunir a todos, apesar de viver um inferno dentro de casa. Uma mulher temente a Deus, sempre na igreja fazendo suas orações. Dizia o tempo todo que tá tudo nas mãos de Deus — lembra Rochelle.

> Receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp

No Ano Novo, Tatiana tinha oficializado a separação do ex-companheiro com que viveu por 25 anos. Juntos os dois tiveram três filhos e trabalhavam na revendedora de veículos do homem. Com o divórcio, o casal se desfez do apartamento onde vivia e ela passou a morar com a mãe.

Segundo sua prima Rochelle, o relacionamento entre os dois sempre enfrentou problemas causados pelo ciúme do marido. Há três anos, Tatiana teria decidido se separar após sofrer agressões físicas. Contudo, ela nunca procurou a delegacia para denunciar a violência que sofria.

Tatiana (esq.) e a prima Rochelle
Tatiana (esq.) e a prima Rochelle
(Foto: )

— Ele ameaçando sempre ela que ia matar se ela o deixasse, que se não ficasse com ele não ia ser de mais ninguém. E ela dizia que ele não matava nenhuma barata e não acreditava. A gente dizia para ela fugir dele, mas não adiantava — conta.

> Como a pandemia mudou o combate ao feminicídio e à violência doméstica em SC

Cerca de dez minutos antes do crime, Tatiana ligou para Rochelle e combinou de irem à igreja a noite. Na conversa, ela teria comentado que o ex-companheiro entrou em contato para que a mulher buscasse o dinheiro da mensalidade da filha mais nova. 

Os dois discutiram no local e o homem sacou uma arma. Tatiana foi morta com sete tiros efetuados pelo ex-companheiro em frente a revendedora, localizada no bairro Estreito. O homem de 60 anos fugiu após os disparos, mas foi preso horas depois em Porto Belo. Segundo a Polícia Civil, ele foi encaminhado ao presídio de Tijucas.

Tatiana procurou advogado dias antes do crime

Na última quinta-feira (4), Tatiane teria procurado um advogado buscando orientações de como se proteger contra as ameaças do ex-companheiro. Desde a separação em dezembro, o homem teria passado a ligar constantemente a intimidando.

> Mulher pula de carro em movimento para escapar de assédio em SC; veja vídeo

Após a prisão, o inquérito que investiga a morte de Tatiana foi enviado para a Delegacia de Proteção à Criança, ao Adolescente, à Mulher e ao Idoso (Dpcami). O delegado Júlio César Lima Feitosa, responsável pelas investigações, não deu detalhes sobre o caso.

Tatiana será enterrada nesta terça-feira (9) no cemitério de Barreiros, em São José. A família não divulgou o horário do sepultamento.

Leia mais:

Dois PMs são afastados após homem desaparecer em SC

Homem que mantinha companheira trancada em casa é preso no Oeste de SC

Criança de dois anos morre atropelada em Itajaí

Colunistas