nsc
dc

Polícia

"Não sairá tão fácil da cabeça", diz prefeito de Criciúma após assalto a banco

Clésio Salvaro comentou ação dos marginais que sitiaram a cidade durante a madrugada, fizeram reféns, assaltaram banco e instalaram explosivos em ruas do Centro

01/12/2020 - 06h33 - Atualizada em: 01/12/2020 - 07h32

Compartilhe

Jean
Por Jean Laurindo
Bandidos atearam fogo em caminhão na frente de batalhão da Polícia Militar (foto) e na BR-101 com intenção de sitiar a cidade
Bandidos atearam fogo em caminhão na frente de batalhão da Polícia Militar (foto) e na BR-101 com intenção de sitiar a cidade
(Foto: )

O prefeito de Criciúma, Clésio Salvaro, comentou ainda na madrugada o assalto que deixou a cidade sitiada nas primeiras horas desta terça-feira (1º). Em entrevista à Globonews, Clésio deu detalhes da ação dos bandidos e falou sobre o clima que se instalou no município após os ataques.

> Assaltantes de banco sitiam centro de Criciúma, fazem reféns e queimam veículos

Ele contou que ficou sabendo dos primeiros ataques pelas redes sociais pouco antes da meia-noite e que, a partir daí, fez contato com os comandos da Polícia Militar e Polícia Civil e passou a pedir à população para não sair de casa. Ele chegou a publicar um vídeo no Twitter cm esse apelo.

– Vivemos uma experiência que certamente não sairá tão fácil da cabeça do povo criciumense. Lamentavelmente, de uma forma muito negativa - disse.

Clésio classificou como uma “cena surreal” o episódio desta madrugada e disse que é a situação vivida é algo “muito distante da realidade” do município e de Santa Catarina.

– Notadamente, no município de Criciúma, nós nunca tivemos algo parecido – conta.

O prefeito de Criciúma também elogiou a ação da polícia que buscou proteger a população.

Assalto a banco em Santa Catarina repercute na imprensa internacional

– Evitar a troca de tiros com os bandidos foi muito positivo. Tivemos apenas dois feridos, um policial e um vigia, mas a polícia agiu de forma muito correta – contou.

Clésio detalhou que as pessoas feitas reféns e que precisaram ficar sentadas na faixa de pedestre de uma rua do Centro ão profissionais da prefeitura que trabalham de madrugada na pintura das faixas de pedestres. Eram seis profissionais, mas segundo o prefeito às 3h da manhã eles já haviam sido liberados. Nenhum deles foi ferido.

Assalto a banco em Criciúma exige resposta rápida das forças de segurança

"Semelhante às maiores ações do país", diz delegado sobre assalto em Criciúma

Colunistas