nsc
dc

Amor em tempos de pandemia

No Dia dos Namorados, conheça o casal formado em drive-thru da vacina da covid em SC

Livia e Franco se conheceram durante as ações de imunização contra o coronavírus

12/06/2021 - 04h00 - Atualizada em: 12/06/2021 - 14h16

Compartilhe

Marina
Por Marina Martini Lopes
casal drive-thru vacinação
Neste ano, com o início da vacinação contra a covid-19, Franco e Livia passaram a trabalhar nas campanhas e também nos locais de aplicação da vacina
(Foto: )

Como tantos outros profissionais da área da saúde no Brasil e no mundo, Livia Crespo Drago e Franco Andrius Ache dos Santos vêm atuando no combate à pandemia de coronavírus desde o ano passado. Neste ano, com o início da vacinação contra a covid-19, os dois passaram a trabalhar nas campanhas e também nos locais de aplicação da vacina.

E foi no Centro de Saúde do Alto Ribeirão, em Florianópolis, que ambos se esbarraram - depois dos caminhos quase terem se cruzado algumas vezes:

– A gente brinca que Floripa só tem três pessoas, né? Eu, você, e alguém que a gente conhece – diz Livia, rindo. – Depois que se conheceu, a gente soube que convivia nos mesmos ambientes sem ter realmente se cruzado antes: nós dois fizemos mestrado e doutorado na mesma época na UFSC; eu na enfermagem, ele na saúde pública. Ele fez mestrado com dois amigos meus, e a gente não se conheceu na época.

> Saiba como receber notícias do NSC Total no WhatsApp

– No drive-thru fica todo mundo paramentado, mas no primeiro dia em que nos vimos ele não estava todo paramentado como os outros enfermeiros: ele prefere usar o jaleco dele, pessoal, em vez do descartável – conta Livia sobre Franco. – E no jaleco dele tem o símbolo da UFSC e está escrito “mestre epidemiologista”. Aí, eu olhei e pensei “Ai, que metido” (risos). Claro, todo paramentado a gente não vê muita coisa; então, a princípio, o que me chamou atenção foram os olhos dele: ele tem um olhar muito bonito. E também a personalidade: ele é muito prestativo, muito trabalhador, eu via como ele atendia bem a população, e tudo isso eu achava muito legal.

Foto registrada no dia em que Livia e Franco se conheceram, no Centro de Saúde do Alto Ribeirão, em Florianópolis
Foto registrada no dia em que Livia e Franco se conheceram, no Centro de Saúde do Alto Ribeirão, em Florianópolis
(Foto: )

Foi a própria Livia quem tomou a iniciativa, já em um segundo drive-thru trabalhando juntos no mesmo setor.

– Em algum momento em que o movimento diminuiu um pouco, sentei e estava fazendo uma publicação no Instagram, e ele estava perto de mim – ela explica. – Aí eu pensei: "Olha, uma oportunidade para eu puxar assunto e ter algum contato além do trabalho". Então perguntei o que ele tinha achado da montagem que fiz no Instagram, e ele me pediu para eu enviar a ele pelo WhatsApp. Aí falei que não, que eu ia enviar pelo Instagram. Porque no Instagram dá pra dar aquela stalkeada, né? Ver se é casado ou não (risos)... E a partir disso começamos a conversar praticamente todas as noites.

O primeiro encontro "oficial" aconteceu depois da terceira vez em que os dois trabalharam juntos: foi um almoço na casa de Livia, com muita conversa, mas sem sequer um abraço – porque os dois, justamente por causa da pandemia, estavam evitando se tocar.

– Tínhamos um receio mútuo. Ambos já estávamos com a primeira dose da vacina; tomamos no dia 1º de fevereiro. Mas a segunda dose foi só no final de abril – diz Franco.

– Em algum momento, a gente se deu as mãos; e, por algum motivo, quando demos as mãos eu senti que era para ser. Estamos construindo essa relação desde fevereiro – afirma Livia.

> 10 filmes de romance na Netflix

> Linha do tempo do amor: veja curiosidades e fatos marcantes da história dos relacionamentos afetivos

O casal vinha de um período de bastante estresse e ansiedade, em função da pandemia – e consideram que tanto a descoberta de um novo relacionamento quanto o próprio trabalho nas campanhas de vacinação foi um respiro em meio ao caos.

– Eu vinha de um período de home office, respeitando bastante a questão do distanciamento social, ficando em casa mesmo. Voltar para a assistência nesse momento gerou bastante ansiedade – conta Livia, que entrou para a rede municipal de saúde de Florianópolis em outubro de 2020, depois de um tempo trabalhando como professora na Unisul. – Houve um momento em que o sistema de saúde de Florianópolis entrou em colapso, e nesse período essa ansiedade foi ainda maior. Perdemos muitos pacientes.

> Dia dos namorados e isolamento social: nem sempre o amor e o contato físico andaram juntos

– Trabalhar nas campanhas de vacinação é um alento, traz esperança. É uma alegria muito grande poder participar desse momento. E é uma loucura pensar que nesse contexto todo, de pandemia, de tantas mortes, a gente conseguiu se encontrar, se enxergar, estar disposto a construir um relacionamento saudável. E conforta tanto... Ele também vivencia as mesmas coisas que eu, então a gente pode se acolher melhor. Temos visões de mundo muito parecidas – conclui Livia.

Colunistas