nsc
dc

Agricultura

Nuvem de gafanhotos não deve chegar ao Brasil, diz fiscal agropecuário

Um plano de contingência foi criado para o caso dos insetos chegarem em solo gaúcho

23/07/2020 - 11h40

Compartilhe

Lariane
Por Lariane Cagnini
gafanhoto
Há cerca de um mês, uma outra nuvem de gafanhotos deixou SC em alerta
(Foto: )

A nuvem de gafanhotos que está na Argentina deve se manter longe do Brasil por enquanto. Na manhã desta quinta-feira (23), o enxame estava a 98 quilômetros da Barra do Quaraí, na fronteira oeste do Rio Grande do Sul. As informaçoes são de GaúchaZH.

Leandro Puchalski: nuvem de gafanhotos e o Oeste de SC

Segundo a reportagem, a mobilidade dos insetos foi reduzida por conta do frio registrado na província de Entre Ríos, na Argentina. O fiscal estadual agropecuário Juliano Ritter explicou que a nuvem é monitorada diariamente, e que no momento não há risco do enxame chegar ao Brasil.

— O vento está no sentido sudoeste e orienta a nuvem em direção ao Rio Grande do Sul, mas ele não é um fator determinante, o calor é mais importante. E, na província de Entre Ríos, que é onde o enxame está, os termômetros marcam apenas 16°C, e isso dificulta a mobilidade dos gafanhotos — explicou à GaúchaZH. 

SC vive ''fase de transmissão intensa'' e pandemia deve acelerar em agosto

Aeronaves para ajudar no combate

O secretário de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) Covatti Filho disse que um plano de contingência foi criado para o caso da nuvem chegar em solo gaúcho. Seriam 70 aeronaves espalhadas pela fronteira e mais de 400 em todo o estado, para lançar defensivos agrícolas e combater a praga. 

Servidor chama de "vadias" profissionais da saúde de Orleans em mensagem

O Governo do Estado informou que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) deverá liberar R$ 600 mil de recursos para auxiliar o Rio Grande do Sul no combate à nuvem de gafanhotos, caso ela atinja cidades gaúchas. A promessa foi feita durante reunião em Brasília na quarta-feira entre a ministra Tereza Cristina e Covatti Filho.

Há cerca de um mês, a nuvem de gafanhotos colocou Santa Catarina em estado de emergência fitossanitária. O estado de emergência, declarado pelo Mapa, permite a implementação de plano de supressão da praga e adoção de medidas emergenciais, caso necessário, pelo prazo de um ano.

Colunistas