nsc
dc

Justiça

O que se sabe sobre o caso da menina de 11 anos impedida de fazer aborto em SC

Caso ganhou repercussão após vídeos que mostram juíza e promotora incentivando a vítima a seguir com a gravidez serem divulgados

22/06/2022 - 08h32 - Atualizada em: 23/06/2022 - 13h46

Compartilhe

Caroline
Por Caroline Borges
Clarissa
Por Clarissa Battistella
Sofia
Por Sofia Mayer
Estupro teria ocorrido quando menina tinha 10 anos
Estupro teria ocorrido quando menina tinha 10 anos
(Foto: )

O caso da criança de 11 anos, mantida pela Justiça em um abrigo para evitar que fizesse um aborto autorizado em Santa Catarina, ganhou repercussão nacional. A situação veio à tona nesta segunda-feira (20) após a divulgação de vídeos, pelo Intercepet e Portal Catarinas, que mostram a juíza e a promotora à frente do caso pedindo para que a criança siga com a gravidez.

Receba notícias do DC via Telegram

No início do ano, a menina foi vítima de estupro e descobriu que estava grávida com 22 semanas. Ela foi encaminhada ao Hospital Universitário de Florianópolis, onde teve o procedimento para interromper a gravidez negado. 

Após a grande repercussão do caso, o Ministério Público Federal (MPF) informou que o procedimento de interrupção de gestação foi realizado na quarta-feira (22).

No Brasil, o aborto é permitido em três situações: quando a gravidez é decorrente de estupro, quando há risco à vida da gestante ou quando há um diagnóstico de anencefalia do feto. 

Porém, o hospital negou o procedimento alegando que a interrupção só seria realizada com até 20 semanas. 

Além disso, nas imagens, a juíza e a promotora pedem para que a menina mantenha a gestação por mais "uma ou duas semanas". O objetivo era garantir a vida do feto. 

— Você suportaria ficar mais um pouquinho? — pergunta Joana Ribeiro, a magistrada a frente do caso. 

Confira o que já se sabe sobre o caso até o momento

Por que a menina foi para o abrigo? 

De acordo com a decisão, na qual o g1 SC teve acesso, a juíza alega que a menina foi encaminhada, inicialmente, ao abrigo por conta de um pedido da Vara da Infância para protegê-la do agressor. Mas, o objetivo mudou, e passou a ser evitar o aborto. A suspeita é de que o abuso tenha ocorrido na casa da criança. 

Entenda em quais casos a lei permite aborto no Brasil

Quando ocorreu o crime? 

Segundo o processo, a menina sofreu o estupro quando tinha 10 anos. O caso foi descoberto pelo Conselho Tutelar da cidade em que ela morava, que repassou ao Ministério Público de Santa Catarina (MPSC). 

A criança tem autorização judicial para fazer o aborto? 

A advogada da menina, Daniela Felix, afirmou que existe uma decisão da Justiça que autoriza o aborto. Porém, como a criança estava internada em um abrigo, o fato impedia que o procedimento seja feito. 

No começo da tarde desta quinta-feira (23), o Ministério Público Federal (MPF) informou que o procedimento de interrupção de gestação foi realizado na quarta-feira (22).

Sete conselheiros do CNJ assinam pedido de investigação sobre juíza de SC

O que diz a juíza na decisão? 

Na decisão, a juíza afirmou que o aborto só seria possível realizar o aborto com menos de 22 semanas de gestação ou 500 gramas do feto. Ela também comparou a prática a um homicídio. 

— Diferente de proteger a filha, iria submetê-la a um homicídio — disse. 

— Logo, não se impediu o aborto da menina porque, passado o prazo legal e também o tamanho adequado do bebê, o que foi impedido por esse juízo foi o cumprimento de uma ordem que já não era mais de aborto e só não foi cumprida porque a menina estava institucionalizada [internada em um abrigo] pois, se estivesse com a mãe, teria sido realizado o procedimento sem a salvaguarda da vida do bebê — considerou Joana Ribeiro. 

Em nota, a magistrada disse que não se manifestará sobre trechos da audiência: 

"Com o julgamento do STF pelo não reconhecimento do direito ao esquecimento, qualquer manifestação sobre o assunto à imprensa poderá impactar ainda mais e para sempre a vida de uma criança. Por essa razão, seria de extrema importância que esse caso continue a ser tratado pela instância adequada, ou seja, pela Justiça, com toda a responsabilidade e ética que a situação requer e com a devida proteção a todos os seus direitos e garantias constitucionais", escreveu. 

A conduta da juíza e da promotora é apurada? 

Sim. Tanto o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) quanto a Corregedoria-Geral do Tribunal de Justiça de Santa Catarina apuram a conduta da juíza. Enquanto o Ministério Público de Santa Catarina investiga a promotora.

A magistrada continua no caso? 

Não. Nesta terça-feira ela informou que foi transferida para a comarca de Brusque, no Vale do Itajaí. Ela alega que a transferência ocorreu devido a uma promoção e aconteceu na última quarta-feira (15), antes da repercussão do caso.

O que diz a OAB? 

Em nota, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Santa Catarina disse que vai trabalhar para garantir a proteção da menina. A entidade escreveu, ainda, que a situação é preocupante e que vai acompanhar todos os desdobramentos do processo para que a vítima receba apoio

"Incluindo o retorno ao convívio familiar e toda a assistência de saúde necessária", ressaltou.

O que dizem especialistas? 

Segundo a ex-coordenadora do setor de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital Santo Antônio, em Blumenau, Daniela Lemos Mezzono, o Código Penal não determina um limite de idade gestacional para o aborto em casos de estupro, risco de vida materina ou má formação fetal incompatível com a vida. 

O que diz o hospital? 

Em nota, o Hospital Universitário Professor Polydoro Ernani de São Thiago, onde a criança foi atendida inicialmente, informou que não divulga informações sobre procedimentos relacionados ao prontuário de pacientes e nem casos que correm em segredo de justiça 

“Quando ocorre de ultrapassar o limite da idade gestacional estabelecido pelo protocolo para conduzir o procedimento, orientamos a família a recorrer judicialmente para assegurar esse direito", escreveu a direção. 

Nesta terça-feira, o Ministério Público Federal (MPF) disse que irá investigar o atendimento feito na unidade. 

Leia também: 

OAB em SC diz que vai atuar a favor de menina impedida de abortar após estupro

Corregedoria-Geral da Justiça apura conduta de juíza que impediu menina de abortar

Criança denúncia abuso sexual em bilhete, e padrasto é preso em Chapecó: "Me ajuda"

Colunistas