nsc
    dc

    Histórias do coronavírus

    “O único remédio é a população se cuidar”, diz mãe de uma das vítimas da Covid-19 em SC

    Aislan Crozeta Corrêa, 32 anos, foi o primeiro jovem a perder a batalha para coronavírus em Santa Catarina, no início da pandemia

    01/08/2020 - 06h00

    Compartilhe

    Jean
    Por Jean Laurindo
    Aislan
    O morador de São Ludgero, no Sul do Estado, ficou 15 dias internado na UTI de um hospital em Içara e morreu dia 4 de abril
    (Foto: )

    O consultor de vendas Aislan Crozeta Corrêa, 32 anos, foi o primeiro jovem a perder a batalha para coronavírus em Santa Catarina. O morador de São Ludgero, no Sul do Estado, ficou 15 dias internado na UTI de um hospital em Içara e morreu dia 4 de abril. A próxima terça-feira marcará quatro meses da morte de Aislan. Ele não tinha nenhuma doença crônica. Foi o 11º óbito provocado pela Covid-19 no Estado.

    > Veja a evolução da pandemia em SC em um mapa interativo

    Quando Aislan teve os primeiros sintomas, como febre e falta de ar, o coronavírus ainda era novidade, uma ameaça que começava a se apresentar para os catarinenses, reclusos em início de quarentena. Quase quatro meses depois, SC atravessa o momento mais crítico da pandemia, com uma das menores taxas de isolamento do país, lotação de leitos de UTI em algumas regiões e sem previsão de quando o Estado vai superar o pico da doença.

    Para quem perdeu um familiar quando a doença ainda era um inimigo incerto, ver que muitas pessoas ainda descumprem as normas de isolamento social e cuidados de prevenção mesmo com o avanço da doença em SC provoca sensações confusas. A mãe de Aislan, Sirlene Crozeta, deixou o emprego na mesma empresa que o filho trabalhava, em São Ludgero, e passou a costurar em casa. Ela produz máscaras de tecido, que surgiram como uma oportunidade de renda e também uma forma de ajudar outras pessoas a se prevenirem da doença.

    Sirlene diz que a procura por máscaras é grande, mas que em contrapartida nota que muitas pessoas ainda parecem não perceber os riscos da doença. Aislan deixou esposa e um filho de dois anos, que também tentam seguir a vida após a perda. Nos últimos quatro meses, Sirlene viu a mãe, de 69 anos, apenas três vezes e a distância. Os contatos são por telefone, para evitar qualquer risco.

    A mãe de Aislan se divide entre a angústia sobre não saber até onde irá a pandemia e a tentativa de se conformar com a ideia de que a missão do filho tinha que se encerrar. Ela ainda se lamenta pelo fato de o filho ter contraído a Covid-19 tão no início, quando as respostas dos médicos ainda tinham muitas dúvidas sobre a doença. E, acima disso, mantém o apelo pelas medidas de prevenção ao vírus.

    – É difícil ficar em casa, tem momentos que é revoltante, como ocorre comigo, mas no momento a forma mais adequada é ficar em casa, se cuidar, porque não tem outra saída. O único remédio é a população se cuidar – afirma a mãe.

    Leia também

    Médico que contraiu o coronavírus está internado há mais de 100 dias em Blumenau

    "A família não tem visão dele doente, de tão rápido que foi", diz filho de vítima do coronavírus em Joinville

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Saúde

    Colunistas