nsc
    santa

    Pandemia

    Médico que contraiu o coronavírus está internado há mais de 100 dias em Blumenau

    Renaud Pimentel Frazão Filho, 79 anos, foi internado com Covid-19 em Blumenau no dia 13 de abril, e continua a enfrentar as complicações da doença na batalha pela vida

    31/07/2020 - 06h08 - Atualizada em: 31/07/2020 - 06h44

    Compartilhe

    Lucas
    Por Lucas Paraizo
    Renaud e a filha Monica
    Renaud e a filha Monica
    (Foto: )

    No dia 13 de abril, quando Renaud Pimentel Frazão Filho chegou ao hospital em Blumenau com falta de ar e outros sintomas de Covid-19, a pandemia no Brasil ainda estava em outro estágio. Em Santa Catarina eram menos de mil pessoas contaminadas e apenas 31 mortes confirmadas. Passados mais de 100 dias, Renaud ainda trava uma das mais longas batalhas contra o coronavírus no Brasil.

    > Veja a evolução da pandemia em SC em um mapa interativo

    Da Covid-19 propriamente dita o médico de 79 anos já se curou, mas segue internado na UTI do Hospital Santa Catarina, em Blumenau, lidando com todas as complicações que o coronavírus trouxe. Desde a entrada no hospital em abril, Renaud passou por uma série de momentos difíceis e recuperações. Primeiro foram 26 dias sedado, intubado, com paralisia nos rins e trombose nas pernas, até acordar e começar a melhorar.

    > Blumenau tem paciente internado em UTI há 98 dias devido a complicações da Covid-19

    Passados alguns dias em um estado melhor, dando risada e respondendo às pessoas, voltou a piorar. Teve pneumonia, infecções, precisou fazer hemodiálise por causa do rim parado e conseguiu voltar novamente. Por causa da trombose, duas semanas atrás a amputação de parte dos pés foi necessária.

    – Outros pacientes que estavam no hospital com ele morreram, e o meu pai continuou. É uma situação horrorosa. Meu pai que salvava vidas em UTIs estar ali naquela situação. É uma doença horrível, e tem gente fazendo festa, baile – lamenta a filha, Monica Frazão.

    Renaud nasceu no Piauí, mas morou a maior parte da vida no Rio de Janeiro. Médico reumatologista, veio morar com a filha e a família dela em Florianópolis em 2017, após a esposa falecer por causa de um câncer. No Norte da Ilha, abriu uma clínica nos Ingleses e seguiu atendendo. Quando contraiu o vírus ele estava em Gaspar, no Vale do Itajaí. Sentiu primeiro um cansaço no dia 12 de abril, e no dia seguinte já teve que ser levado ao hospital. Dois dias depois mesmo pediu aos médicos para que fizessem a intubação.

    Depois de 110 dias internado, Renaud até brinca com os médicos e as enfermeiras, que o chamam de “mascote” do hospital. Apaixonado por música, ele pede à equipe da UTI o que quer ouvir. No dia 10 de julho ele fez aniversário, e como não havia mais risco de contaminação pelo coronavírus a filha e a neta puderam entrar no quarto e interagir com ele.

    Durante todo o período na UTI, apenas duas vezes o contato foi possível, mas o carinho fez diferença na recuperação até agora.

    – Ele estava bem ruim quando autorizaram a primeira vez para eu ir à UTI. No dia seguinte à visita o doutor me ligou e disse que deu um pico de melhora extraordinário. E foi assim também na segunda vez, no aniversário dele. É a importância de um familiar estar junto. É uma doença da solidão, ninguém pode estar junto no isolamento – conta Monica.

    Renaud no hospital
    No último dia 10, Renaud fez aniversário e ganhou a visita da filha e da neta no hospital
    (Foto: )

    Leia também

    "A família não tem visão dele doente, de tão rápido que foi", diz filho de vítima do coronavírus em Joinville

    Bombeiro comunitário morre vítima de coronavírus em Blumenau

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Saúde

    Colunistas