nsc
dc

DINHEIRO SUJO

Operação que mira fraudes no DF cumpre mandados em Santa Catarina

Contratações emergenciais para o serviço de lavanderia em hospitais estão no centro da investigação

04/06/2021 - 14h14

Compartilhe

Lucas
Por Lucas Paraizo
Operação Dinheiro Sujo
Operação Dinheiro Sujo mirou contratos com lavanderias
(Foto: )

Uma operação do Ministério Público Federal (MPF) que investiga supostas fraudes em contratos emergenciais da Secretaria de Saúde do Distrito Federal cumpriu mandados de busca e apreensão em Santa Catarina nesta sexta-feira (4). Os agentes teriam buscado endereços em pelo menos duas cidades: São José e Videira.

> Acesse para receber notícias de Santa Catarina por WhatsApp

Em nível nacional, a operação cumpriu 22 mandados de busca e apreensão, sendo a maioria no DF. Além de SC, a ação também ocorreu em São Paulo, Maranhão e Paraná. A Justiça ainda determinou o bloqueio de R$ 54 milhões de envolvidos. O MPF não detalhou quais foram os mandados cumpridos em Santa Catarina.

Segundo o G1, a operação chamada de "Dinheiro Sujo" mira supostos contratos superfaturados para o serviço de lavanderia dos hospitais do DF. Entre os alvos da ação estão o ex-secretários de Saúde do DF Rafael Barbosa e Elias Miziara, que ocuparam o cargo durante a gestão Agnelo Queiroz (PT). O petista não é alvo da ação.

De acordo com as investigações, as irregularidades ocorreram entre 2013 e 2016 em pelo menos quatro hospitais do DF. O MPF apontou indícios de superfaturamento de contratos, pesquisas de preço fictícias durante a contratação e prestação de serviços insatisfatórios.

Ainda segundo a apuração do portal G1 com o MP, apesar de existirem licitações para contratação de serviços de lavanderia, "os membros do grupo criminoso se uniram para simular situação de calamidade com o intuito de justificar a dispensa do procedimento licitatório e direcionar a contratação de empresas integrantes do grupo".

A investigação apontou que processos de licitação ficavam parados propositalmente, até que a situação nos hospitais se tornasse crítica e um contrato emergencial com a empresa indicada fosse sugerido.

> Ação milionária de quase 30 anos chega ao fim na Justiça de SC

Colunistas