nsc
dc

Meio ambiente

Os custos das catástrofes climáticas de 2020

Desastres climáticos causaram danos estimados em 150 bilhões de dólares, custaram 3,5 mil vidas e deslocaram mais de 13,5 milhões de pessoas, segundo relatório

10/01/2021 - 09h00

Compartilhe

Por AFP
Imagem dos estragos causados em Honduras, após a passagem dos furacões Eta e Iota pela América Central em dezembro do ano passado
Imagem dos estragos causados em Honduras, após a passagem dos furacões Eta e Iota pela América Central em dezembro do ano passado
(Foto: )

Os dez desastres climáticos mais caros de 2020 alcançaram um valor de quase 150 bilhões de dólares (123 bilhões de euros) em danos segurados, um número maior que em 2019, o que reflete o aumento do impacto do aquecimento global, de acordo com uma organização britânica. Segundo o relatório anual da ONG Christian Aid, esses desastres também custaram 3,5 mil vidas e deslocaram mais de 13,5 milhões de pessoas.

> Saiba como receber notícias do NSC Total no WhatsApp

> Dois filhotes de cervo-dama nascem no zoológico de Balneário Camboriú; veja fotos

Dos incêndios gigantescos que devastaram a Austrália até a sucessão de furacões no Caribe, o verdadeiro custo dos acontecimentos climáticos extremos em 2020, reforçado pelo aquecimento global, é muito mais significativo e a maior parte dos danos não estavam segurados, insiste a ONG.

Os países mais pobres pagaram o maior preço, com apenas 4% das perdas econômicas provocadas pelas catástrofes climáticas extremas seguradas, contra 60% nos países ricos, de acordo com este relatório, que cita um estudo recente publicado pela The Lancet.

Os desastres meteorológicos já devastavam o planeta antes da chegada das alterações climáticas provocadas pelo ser humano. No entanto, o aumento da temperatura em pelo menos 1,1 °C desde o início da era industrial aumentou também a frequência e os impactos.

> Marina catarinense é a primeira no Brasil a receber "ISO ambiental"

– Tanto nas inundações na Ásia, quanto nas infestações de gafanhotos na África ou tempestades na Europa e América, a mudança climática continuou causando mais estragos em 2020 – indicou Kat Kramer, diretor para o clima na Christian Aid.

Cinco dos desastres mais caros em 2020 estavam vinculados a uma temporada de monções particularmente rigorosa na Ásia.

– As inundações de 2020 estão entre as piores na história de Bangladesh, com mais de um quarto do país afetado – afirmou Shahjahan Mondal, climatologista da Universidade de Engenharia e Tecnologia de Bangladesh.

Por outro lado, muitas catástrofes provocaram danos de pelo menos US$ 5 bilhões, como o ciclone Amphan no Golfo de Bengala em maio, grandes incêndios no oeste dos Estados Unidos durante o verão e outono (boreais) e os que devastaram a Austrália em janeiro do ano passado. A temporada recorde de furacões no Atlântico, com 30 tempestades relevantes, algo sem precedentes, causou ao menos 400 mortes e US$ 41 bilhões em danos nos EUA, América Central e Caribe, segundo a ONG britânica.

> Cachorra que levou socos e foi jogada contra carro é resgatada em Florianópolis

Entre outros danos importantes em 2020, a ONG destacou duas tempestades que assolaram a Europa, com cerca de US$ 5,9 bilhões em danos: “Ciara” no Reino Unido e Irlanda em fevereiro, e “Alex” na França e Itália em outubro.

O aumento dos desastres climáticos coincide com as previsões dos cientistas e com os avanços nos últimos anos que permitem avaliar a frequência de eventos meteorológicos como consequência do aquecimento global.

> 2020: o ano com menos gás carbônico

O Acordo de Paris (COP21) prevê limitar o aquecimento abaixo dos 2 °C, se possível 1,5°C, em relação à era pré-industrial. Mas os compromissos por parte dos Estados para reduzir a emissão de gases de efeito estufa ainda são insuficientes para alcançar este objetivo.

Colunistas