Os recursos de segurança automotiva avançados costumavam envolver o cinto de segurança, um olhar esperançoso para a medalha de São Cristóvão no retrovisor e fé em que nada quebraria no seu carro. Hoje, há uma série de tecnologias que protegem as pessoas dentro e fora do veículo – tantas, na verdade, que você pode nem conhecer todos os sistemas contidos nele.

Continua depois da publicidade

> Trump pode realmente acelerar a aprovação de tratamentos para a Covid?

Os automóveis construídos nos últimos 12 anos (a idade média dos veículos atualmente) estão cheios de recursos de segurança, alguns dos quais chegamos a nos esquecer. É provável que o controle eletrônico de estabilidade já o tenha salvado ao acionar os freios em rodas individuais para melhorar a direção e evitar capotamentos. O controle de tração ajuda a eliminar uma derrapada descontrolada em superfícies escorregadias. Os freios antitravamento encurtam as distâncias de uma freada e garantem maior controle. Os monitores de câmera traseira revelam crianças pequenas escondidas atrás do seu carro. Tudo isso é obrigatório nos carros modernos.

E depois há a tecnologia mais avançada. Por exemplo, um conhecido que estava frustrado com vibrações intermitentes do assento em seu novo Cadillac se sentiu um ignorante ao descobrir que elas eram o sistema avisando sobre a mudança de pista com um discreto chacoalhar.

> Estudos mostram o papel da obesidade na Covid-19

Continua depois da publicidade

Lembre-se de que as características mencionadas aqui em modelos específicos podem estar disponíveis em uma série de outros veículos. Alguns ajustes podem ser necessários, especialmente com a chegada de modelos 2021.

Primeiro, um número sério. A Associação dos Governadores de Segurança Rodoviária declarou este ano que as mortes de pedestres por automóveis aumentaram de 4.109 em 2009 para 6.283 em 2018. Parte do aumento se deve a picapes, SUVs e crossovers populares.

> 10 lugares para conhecer em Santa Catarina

“Esses veículos têm capô muito mais alto do que os sedãs. As regulamentações de altura dos para-choques dos EUA são para proteção entre veículos, não de segurança para pedestres. Com SUVs ou picapes é muito mais provável que você acabe sob o veículo. As chances de pousar no capô quando atingido por um sedã são melhores”, disse David Zuby, diretor de pesquisa do Instituto de Seguros para a Segurança na Estrada.

O Volkswagen Arteon tem um recurso de segurança bacana: um dispositivo perto da base do para-brisa que imediatamente abre um pouco o capô, adicionando espaço entre este e o motor e diminuindo o impacto.

Continua depois da publicidade

> Ponte Hercílio Luz em Florianópolis terá horário para carros ampliado

Mais dessas “tecnologias ativas de segurança eletrônica”, que usam sensores, radar e câmeras, estão chegando. Entre elas: frenagem automática de emergência com detecção de pedestres e ciclistas (uma experiência violenta e não uma permissão para desempenhar tarefas simultâneas); farol alto automático (para facilitar a visualização de pedestres); aviso de saída da pista (sinalização quando o carro muda de faixa na estrada); assistência de manutenção de faixa (ajudando ativamente a centralizar o veículo em uma faixa da estrada); aviso de ponto cego; e detecção transversal traseira que mostra o movimento de carros e pedestres antes de dar ré (alguns sistemas até freiam para evitar o contato).

“Mesmo quando a frenagem automática não impede uma colisão, a diminuição da velocidade é benéfica para os pedestres e reduz os ferimentos nos impactos entre carros”, explicou Zuby.

As montadoras estão agrupando esses recursos de segurança e os tornando padrão em carros, caminhões e crossovers acessíveis. Os nomes e as características variam: Ford Co-Pilot360, Honda Sensing, Nissan ProPilot Assist, Subaru EyeSight e Toyota Safety Sense. Nos veículos da Honda há um sistema de informação de ponto cego, enquanto o da General Motors é chamado de Alerta de Mudança de Faixa (ambos são sistemas de alerta de ponto cego).

> Novas tecnologias para proteção contra a Covid-19 chegam a estacionamentos em SC

E há também a tecnologia que não pode ser usada nos Estados Unidos. Os europeus contam com faróis adaptativos, que são inexplicavelmente banidos das estradas dos EUA. Em vez do sistema farol alto/farol baixo, os sensores detectam o tráfego próximo e protegem esses veículos com unidades LED incrivelmente brilhantes, ao mesmo tempo que iluminam a estrada com a potência máxima.

Continua depois da publicidade

A maioria das pessoas com as quais falei acredita que seu carro tem dois airbags, um para o motorista e outro para o passageiro da frente. Geralmente, o mais comum são seis (com mais dois nas laterais e outros dois nas janelas). Alguns veículos contam com airbags no joelho e no assento, que posicionam os ocupantes corretamente durante o impacto. O total sobe facilmente para dez com unidades para os passageiros traseiros. Alguns veículos da GM, como o Chevrolet Traverse, têm um entre os bancos dianteiros, para evitar que o motorista e o passageiro batam a cabeça um no outro no caso de impactos laterais. O novo Mercedes-Benz S-Class terá airbags para os passageiros no banco traseiro que são muito parecidos com os da frente.

Muitas mortes acontecem quando os carros saem da estrada porque o motorista está distraído ou sonolento. Os sistemas de atenção funcionam monitorando os movimentos do volante ou empregando câmeras para observar o piloto.

> VÍDEO: Drive-in estreia em Florianópolis; veja como foi

A Volvo (que inventou o cinto de três pontas e liberou sua patente) tem proteção Run Off Road. Quando os sensores detectam uma roda sem peso (que mostra que o carro está indo para uma vala), os cintos de segurança são apertados até que o carro pare de se mover. Se o impacto for grave, os airbags se abrem e o pedal do freio é acionado. A estrutura do assento foi projetada para baixar, visando reduzir a probabilidade de uma lesão da espinha.

Características sofisticadas continuam a vir dos carros de luxo para os veículos acessíveis. Entre elas está a tecnologia que evita colisões laterais. Durante uma curva à esquerda, os sensores nos mais novos sedãs Hyundai Sonata e Elantra adequadamente equipados detectam carros que se aproximam, e então freiam automaticamente para evitar o impacto. (O sistema depende do uso do pisca-pisca, outra boa razão para usá-lo.)

Continua depois da publicidade

> Montadora lança filtro no Instagram para público “dirigir” carro

Os veículos da GM e os da Nissan avisam se você tiver deixado algo no banco de trás (como uma criança dormindo em um dia quente). Eles detectam se a porta dos fundos foi aberta quando uma viagem começou. A Hyundai e a Kia foram mais longe, adicionando um sensor de movimento ultrassônico. Ao detectar movimento quando o veículo está trancado, ele começa a buzinar, podendo até enviar uma mensagem de texto.

Finalmente, eis aqui um lembrete para guardar o celular. Um motorista totalmente presente é o melhor e mais eficaz recurso de segurança disponível. Além disso, é gratuito e está disponível em todas as marcas, modelos e anos.

> Admirar o caminho pode fazer maravilhas para o bem-estar

Destaques do NSC Total