nsc
hora_de_sc

ATROCIDADE

Ossada sem crânio encontrada em Florianópolis é de imigrante russo, diz polícia

Homem estava desaparecido desde dezembro; restos humanos foram encontrados em fevereiro no bairro Pantanal

14/05/2021 - 12h46 - Atualizada em: 14/05/2021 - 20h29

Compartilhe

Maria Eduarda
Por Maria Eduarda Dalponte
Russo desaparecido é identificado como vítima no caso da ossada sem crânio encontrada em Florianópolis
Russo desaparecido é identificado como vítima no caso da ossada sem crânio encontrada em Florianópolis
(Foto: )

A ossada encontrada no bairro Pantanal, em Florianópolis, é do imigrante russo Iaroslav Klevogin, de 34 anos, segundo informações do delegado Wanderley Redondo, da Delegacia de Desaparecidos de Santa Catarina. A investigação da identidade dos ossos foi finalizada pelo Instituto de Análises Forenses na quinta-feira (13).

> Presos se rebelam em cadeia de cidade no Sul catarinense

> Receba notícias de Florianópolis e região no seu WhatsApp

O russo estava desaparecido desde o dia 21 de dezembro e a ossada sem crânio foi encontrada em uma trilha no Morro da Gema, no bairro Pantanal, no dia 17 de fevereiro, já em estado de decomposição. Desde então a polícia trabalha para fazer a identificação.

O delegado Wanderley Redondo disse que o Consulado Russo no Brasil foi acionado para providenciar o DNA do pai de Iaroslav. Nessa quinta (13) saiu o exame que comprovou o grau de parentesco entre a ossada e o material genético de Iuri Klevogin.

> Quadro de Bruno Covas é “irreversível”, diz novo boletim médico

O IGP informou que a família do imigrante ainda não foi notificada oficialmente.

O desaparecimento

Iaroslav Klevogin morava há cerca de três anos em Florianópolis e foi visto pela última vez na rua Capitão Osmar Silva, no bairro Pantanal, no dia 21 de dezembro. Um amigo do russo, que havia morado com ele em uma pensão, registrou o seu desaparecimento na delegacia.

Desde dezembro a polícia investiga o caso. A Delegacia de Desaparecidos iniciou o trabalho com o mapeamento de câmeras de segurança e dados de celulares e o inquérito foi instaurado pela 2ª Delegacia de Polícia, do Saco dos Limões.

Em fevereiro, a polícia recebeu uma denúncia dizendo que o russo teria sido executado e enterrado em uma trilha no Morro da Gema, no Pantanal. No dia 17 do mesmo mês uma ossada sem crânio foi encontrada no local e as forças de segunça começaram os trabalhos para identificar o corpo.

> Médico de Itajaí usou "método cruel" para matar pacientes em UTI, diz polícia

A investigação aponta que a execução aconteceu porque o russo desrespeitou as regras do tráfico de drogas na região. A vítima também tinha registros na polícia por importunação sexual e ameaça.

Até agora um homem de 19 anos foi preso suspeito de participar do crime. A 2ª DP segue a investigação para mapear demais suspeitos e finalizar o inquérito.

*Sob supervisão de Jean Laurindo

Leia também

Ataque a creche: Como a polícia dos EUA ajudou na investigação

Florianópolis antecipa vacinação para pessoas com comorbidades

Presos de SC farão uniformes para 23 mil alunos do país

Colunistas