nsc

Detenção

Suspeito de dar 17 tiros para o alto em briga em São José é preso

Polícia Civil cumpriu mandado de busca e apreensão na manhã desta quarta-feira

19/05/2021 - 12h35 - Atualizada em: 19/05/2021 - 12h51

Compartilhe

Jorge
Por Jorge Jr.
Homem foi detido em casa pela Polícia Civil
Homem foi detido em casa pela Polícia Civil
(Foto: )

O homem suspeito de dar 17 tiros para o alto durante uma briga generalizada em São José, na Rua Koesa no último domingo, foi preso na manhã desta quarta-feira, 19, segundo o secretário de Segurança do município, coronel Vânio Dalmarco em entrevista ao Notícia na Manhã.

> Receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp

A Polícia Civil cumpriu mandado de busca e apreensão na residência do homem. No local foram encontradas munições de calibre 9mm. De acordo com Dalmarco, as câmeras de videomonitoramento de São José auxiliaram na identificação do veículo e da placa, e essas informações foram repassadas para a Divisão de Investigação Criminal (DIC).

- Houve uma briga na parte interna do bar, e essa briga veio para a rua e uma pessoa, que foi identificada pelo nosso videomonitoramento, resolveu atirar pra cima. Ele atirou em torno de 17 vezes, como se fosse uma metralhadora. Ele fez vários disparos e assustou o pessoal que mora na região - explicou o secretário.

> Ordem para vacinação de professores contra Covid em SC é definida; veja lista

De acordo com o secretário de Segurança de São José, o suspeito efetuou os disparos para tentar ajudar um amigo envolvido na confusão. Segundo a DIC, os disparos atingiram um edifício ao lado do bar, com seis salas comerciais danificadas pelas balas.

- Um amigo dele estava fazendo parte da briga e ele atirou pra cima para que a briga parasse. Foram duas pessoas que ficaram bastante machucadas, uma foi para o Hospital Regional e a outra para a UPA do Jardim Atlântico - disse o coronel. 

Ouça a entrevista na íntegra

Leia também

> Bebê apressado de Blumenau nasce dentro de carro na porta de hospital

> Preço da gasolina em SC deve subir para R$ 6, diz sindicato

> Respiradores de R$ 33 milhões: qual foi a punição aplicada pelo Estado à Veigamed

Colunistas