nsc
    dc

    Reconhecimento

    Primeira PM trans de SC tem identidade reconhecida após 10 meses de espera

    Alteração de identidade funcional deve ser o último passo para que sargeno Diana volte às suas atribuições

    19/02/2021 - 17h57 - Atualizada em: 19/02/2021 - 18h23

    Compartilhe

    Clarissa
    Por Clarissa Battistella
    Priscila Diana conquistou a alteração da identidade na Justiça em maio de 2020
    Priscila Diana conquistou a alteração da identidade na Justiça em maio de 2020
    (Foto: )

    Dez meses após conquistar na Justiça o direito de alterar seus dados de identificação em todos os documentos, o que inclui a carteira funcional, a sargento Priscila Diana, primeira trans a vestir uma farda da Polícia Militar de Santa Catarina, foi reconhecida como mulher pelo Estado nessa quinta-feira (18).

    > ELA FAZ HISTÓRIA: conheça a primeira trans na PMSC

    Enquanto lutava por um direito já adquirido, sargento Diana precisou deixar o comando do policiamento operacional para cumprir funções adminstrativas. As alterações ocorreram após publicação dodesabafo da militar no Diário Catarinense.

    Foi durante a noite de quinta-feira, em mais uma das inúmeras consultas ao portal do servidor da Secretaria de Administração do Estado (SEA), que a militar, de 43 anos, viu pela primeira vez seu nome e gênero atualizados após a transição.

    - Só falta agora a polícia mudar nos sistemas internos e eu fazer uma nova identidade funcional em Florianópolis - comenta aliviada, mas ainda ansiosa para retornar às atividades operacionais que realizava antes da transição, desde os 19 anos. 

    A Polícia Militar informou à reportagem, que o processo cadastral depende apenas do tempo burocrático, mas que no caso da sargento Diana, deve ser imediato. Informou, ainda, através de assessoria, que com a conclusão do no cadastro interno, a militar estará liberada para suas atribuições. 

    > Conheça as gêmeas que realizaram cirurgia de mudança de sexo em SC

    > “Quero deixar meu legado e ajudar pessoas” diz gêmea trans que fez mudança de sexo em Blumenau

    Enquanto aguarda os últimos processos burocráticos, aliviada e cheia de expectativas pelo retorno ao comando do policiamento ostensivo da região onde atua, sargento Diana reforça a importância de se manter confiante e firme quanto aos objetivos:

    - Temos que ser uma fonte de incentivo às pessoas que perderam a esperança de realizar seus sonhos, seja lá qual for.

    Leia também

    Gêmeas fazem cirurgia de mudança de sexo em Blumenau

    Uso de drogas, sexo em público e perturbação: força-tarefa aperta cerco no Caixa d'Aço, em Porto Belo

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Polícia

    Colunistas