O inquérito policial sobre o deslizamento que vitimou duas pessoas na BR-376, entre Santa Catarina e o Paraná, foi concluído e não apontou responsáveis pelo acidente ocorrido em 28 de novembro do ano passado. O documento conta com 22 páginas e foi produzido pela Delegacia de Delitos de Trânsito (Dedetran). As informações são do g1 PR.

Continua depois da publicidade

Receba notícias do Norte de Santa Catarina pelo WhatsApp

Quem são as vítimas da tragédia com deslizamento de terra na BR-376

Além das vítimas fatais, outras 14 ficaram feridas. A rodovia ficou 10 dias com interdição total para trabalhos de busca e limpeza, com reflexos no trânsito que duraram meses.

 Quatro horas antes do deslizamento à noite, o mesmo trecho da via chegou a ser interditado por conta de um deslizamento menor, por isso levantou-se o questionamento sobre quem poderia ser responsabilizado pela situação.

Continua depois da publicidade

Veja fotos do deslizamento

Conforme o g1, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) argumentou, na ocasião, que a responsabilidade de decidir sobre o fechamento da rodovia era da Arteris Litoral Sul (ALS), concessionária que administra a rodovia. Logo após o acidente, a empresa afirmou que o local era monitorado e não apresenta riscos.

Apesar de não apontar culpados, a conclusão policial detalha os procedimentos adotados na investigação e conclui que cabe ao Ministério Público do Paraná (MP-PR) continuar os trabalhos para concluir uma eventual responsabilidade sobre o acidente.

Leia também

Vídeos mostram BR-376 alagada horas antes de grave deslizamento entre SC e PR

“Estou sem comer desde ontem”: motoristas ficam parados após interdição na BR-376

Prefeito escapa de deslizamento na BR-376: “Estamos vivos por livramento de Deus”

Destaques do NSC Total