nsc
dc

Educação

Quanto ganha professor da rede pública eleito entre melhores do mundo

Com o projeto Aula Pública, Paulo Magalhães, 56 anos, foi selecionado pelo Global Teacher Award 2021, entre mais de 200 mil inscritos

29/10/2021 - 06h19 - Atualizada em: 29/10/2021 - 06h24

Compartilhe

Metrópoles
Por Metrópoles
Professor Paulo Magalhães
Professor Paulo Magalhães
(Foto: )

Paulo Magalhães, de 56 anos, entrou no último domingo (24/10) para o seleto grupo de professores vencedores do Global Teacher Award 2021, premiação internacional que recebeu mais 200 mil inscrições de 110 países. O evento indiano existe há uma década com o objetivo de reconhecer mestres que, com iniciativas fora da sala de aula formal, tenham contribuído para o desenvolvimento dos alunos e da comunidade.

> Receba notícias do NSC Total no WhatsApp

O professor da rede pública brasileira foi reconhecido pelo projeto Aula Pública, que realiza na Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Duque de Caxias, no bairro da Liberdade, área central de São Paulo. Ele leva as turmas para conhecerem as ruas e a história do pedaço. 

— O maior prêmio é ver a transformação que consegui fazer na região em que trabalho, extremamente vulnerável, onde existem cortiços e ocupações irregulares. A violência era muito intensa na escola — disse o mestre ao Metrópoles.

Paulo rala muito na carreira – cerca de 60 horas por semana. “Tenho dois cargos para poder arcar com as minhas despesas, porque tivemos uma defasagem grande de salário”, relatou. Em setembro, de acordo com o site da Prefeitura de São Paulo, sua remuneração mensal, somando as duas funções, foi de R$ 9.908,20.

— Qualquer valor de salário que eu falar para você que ganho não compensa o trabalho tão sacrificante do professor — afirmou.

Veja fotos:

*Leia mais no Metrópoles, parceiro do NSC Total.

Acesse também:

Maurício Souza publica beijo hétero entre super-heróis após ser demitido

Santa Catarina prepara decreto com novas regras sobre o uso de máscaras

Moradora de Florianópolis desaparece no RS: "Vazio que não cabe no peito”

Colunistas