nsc
dc

Democracia

Quem são os pré-candidatos ao Senado por Santa Catarina nas eleições 2022

Três políticos de SC se apresentam para concorrer ao cargo e quatro alianças ainda precisam definir nomes; uma vaga estará em disputa

08/06/2022 - 19h23 - Atualizada em: 09/06/2022 - 08h44

Compartilhe

Jean
Por Jean Laurindo
Senado Federal
Maioria das candidaturas ao Senado em SC ainda seguem indefinidas
(Foto: )

A definição dos pré-candidatos ao Senado por Santa Catarina também movimenta os partidos em meio às negociações para as eleições 2022. Neste ano, estará em disputa apenas uma das três vagas de senador a que o Estado tem direito. Hoje ela é ocupada pelo senador Dário Berger (PSB), que encerra o mandato ao fim deste ano.

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Atualmente, SC já tem ao menos três nomes abertamente na disputa pela corrida ao Senado. Outras quatro alianças têm indefinições sobre o concorrente a senador. Confira os pré-candidatos:

  • Jorge Seif Júnior (PL)
  • Kennedy Nunes (PTB)
  • Raimundo Colombo (PSD)

Se a definição de pré-candidatos ao governo do Estado e a presidente está adiantada na maioria dos partidos, não se pode dizer o mesmo da disputa ao Senado. Tradicionalmente, o cargo já é usado em articulações para a formação de alianças entre os partidos, o que por vezes adia a escolha dos candidatos. Neste ano, o prazo final para o registro de candidaturas é 15 de agosto.

Na eleição deste ano, outros fatores também interferiram. Um deles era a possibilidade de o empresário Luciano Hang ser candidato ao Senado. O empresário manifestou interesse em concorrer, o que teria afastado outros interessados nos meses anteriores. Como Hang desistiu de participar da eleição, o campo voltou a ficar aberto entre os partidos de SC.

O professor de Administração Pública e coordenador do programa de extensão Educação e Cultura Política da Udesc Esag Daniel Pinheiro afirma que era comum que ex-governadores e figuras mais conhecidas da política concorressem ao Senado, com altas chances de vitória. A experiência de 2018, quando nomes tradicionais foram derrotados e novos políticos tiveram bom desempenho nas urnas, está fazendo com que as escolhas ocorram “da forma mais calma possível”, segundo ele. Outra preocupação é que o nome escolhido para o Senado fale “a mesma língua” do candidato ao governo.

Senado é espaço de visibilidade

O Senado é responsável por criar leis e revisar legislações e projetos aprovados na Câmara dos Deputados. Também possui outras atribuições, como julgar processos de impeachment de presidente da República e sabatinar indicados da presidência para cargos como a Procuradoria-Geral da República (PGR), o Tribunal de Contas da União (TCU) e o Supremo Tribunal Federal (STF).

O mandato é de oito anos, em vez dos quatro tradicionais de cargos como deputado, governador e presidente. Por conta disso, também costuma ser mais atrativo.

— Como é uma casa menor, é mais fácil de acompanhar. As falas são mais ouvidas, os ocupantes acabam tendo mais relevância. Dependendo da visibilidade, isso torna os políticos “candidatáveis”, seja a governador em seus estados ou até mesmo a presidente da República — avalia Daniel Pinheiro. 

Os exemplos mais recentes são os três senadores de SC, que têm os nomes entre os pré-candidatos ao governo, e a senadora Simone Tebet (MDB-MS), atual pré-candidata do partido a presidente da República e alternativa da chamada terceira via.

Os pré-candidatos ao Senado em SC

Jorge Seif Júnior, Kennedy Nunes e Raimundo Colombo, pré-candidatos ao Senado por SC
Jorge Seif Júnior, Kennedy Nunes e Raimundo Colombo, pré-candidatos ao Senado por SC
(Foto: )

Jorge Seif Júnior (PL)

Um dos primeiros nomes apresentados para disputar o Senado foi o do ex-secretário nacional da Aquicultura e Pesca, Jorge Seif Júnior (PL). Ele foi escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro e deve ser o nome na chapa do atual senador bolsonarista Jorginho Mello (PL), que deve disputar o governo de SC. O PL de SC confirma que Seif Júnior será o candidato da coligação.

Kennedy Nunes (PTB)

O deputado estadual Kennedy Nunes (PTB) foi um dos primeiros a manifestar interesse em concorrer ao Senado em 2022. Inicialmente, ele se aproximou do projeto do senador Jorginho Mello (PL), já que na esfera nacional os dois partidos vão apoiar a tentativa de reeleição de Jair Bolsonaro. No entanto, após o PL definir o nome de Jorge Seif Júnior como concorrente a senador, com a bênção do presidente da República, Kennedy passou a buscar outras opções.

Uma possibilidade, que seria a candidatura dele avulsa ao Senado, sem nenhum candidato a governador, foi descartada pelo partido em reunião na última semana. Hoje, a principal possibilidade é que Kennedy concorra ao Senado em uma coligação com o Progressistas e o PSDB, que tenha Esperidião Amin (PP) como candidato a governador. A conversa é considerada “adiantada” tanto por PTB, quanto pelo Progressistas. No entanto, Kennedy diz que também conversou com o prefeito João Rodrigues (PSD), para uma possível candidatura ao Senado na chapa que apoiará Gean Loureiro ao governo. Se nenhuma dessas duas chapas saírem, o PTB também tem o nome do engenheiro Carlos Dieter Werner, ex-vice-prefeito de Corupá, como possível candidato a governador.

Raimundo Colombo (PSD)

Outro nome que pode estar na disputa do Senado é o do ex-governador Raimundo Colombo (PSD). Após vários meses se apresentando como pré-candidato ao governo, Colombo abriu mão do interesse de voltar à Casa d’Agronômica, o que permitiu que o PSD anunciasse ainda em maio o apoio à pré-candidatura de Gean Loureiro (União Brasil) a governador. Com esse arranjo, o PSD indicaria o vice e a candidatura ao Senado, que seria de Colombo. O ex-governador confirma o interesse em concorrer. O presidente estadual do PSD, Milton Hobus, também trata a candidatura de Colombo ao Senado como “inegociável” e que ele “será candidato a senador”. Colombo foi senador entre 2007 e 2010 e concorreu ao cargo em 2018, ficando em quarto lugar.

Outras definições a serem feitas

MDB dividido entre até cinco nomes

Não é apenas na escolha do projeto para a eleição a governador que o MDB de Santa Catarina está dividido. O mesmo ocorre na definição do possível pré-candidato do partido ao Senado. O presidente do MDB em SC, Celso Maldaner, diz que qualquer definição passa antes pela reunião do partido no próximo dia 13, que pode indicar se o partido caminhará para candidatura própria ou para apoio à reeleição do governador Carlos Moisés. No caso de apoio a Moisés, a indicação do vice e do Senado também caberia aos emedebistas.

Com essa indefinição, a direção estadual do partido diz que há pelo menos cinco nomes interessados em concorrer. Os principais deles seriam o ex-prefeito de Jaraguá do Sul Antídio Lunelli, que oficialmente ainda tenta emplacar a candidatura a governador, e do deputado Rogério Peninha Mendonça. Na última semana, Peninha divulgou uma carta manifestando publicamente o interesse na vaga. Ele deixou claro que só desiste da intenção caso Lunelli deseje concorrer ao cargo.

Além de Lunelli e Peninha, Maldaner cita ainda o próprio nome dele, o do ex-deputado Edinho Bez e do ex-governador Paulo Afonso Vieira como possibilidades. O MDB tem até mesmo um sexto nome, o do atual deputado federal Carlos Chiodini, aliado de Lunelli. Até o momento, no entanto, ele não confirma e nem descarta a possibilidade.

Frente de esquerda também indefinida

Na chamada frente de esquerda, que reúne os partidos PT, PSB, PDT, PCdoB, PSOL, Solidariedade, Rede e PV, o pré-candidato ao Senado também é incerto. Na disputa ao governo, Décio Lima (PT) e Dário Berger (PSB) disputam a indicação do bloco para concorrer. Já para a vaga ao Senado, as opções seriam o vereador de Florianópolis, Afrânio Boppré (PSOL) e dois nomes cogitados pelo PDT: os ex-deputados Jorge Boeira e Fernando Coruja.

O próprio Dário Berger, que encerra este ano mandato de oito anos de senador, é citado como possível nome caso não consiga emplacar a candidatura a governador, mas o PSB nega e diz que o foco é a candidatura de Berger a governador. Os partidos ainda não definiram o critério para a escolha da indicação. A direção dos partidos, no entanto, estimam que o martelo deve estar batido até o dia 15 deste mês.

Partido Novo

O partido Novo, que tem como pré-candidato a governador o promotor de Justiça Odair Tramontin, ainda não definiu o nome do provável candidato ao Senado. A divulgação deve ocorrer nos próximos dias, segundo o comando do partido em SC.

Pros

O Pros lançou o defensor público Ralf Zimmer Júnior como pré-candidato a governador, mas ainda não tem nome definido para concorrer ao Senado. O presidente da sigla em SC, Jeferson da Rocha, afirma que o partido estava alinhado com o PTB, que tem Kennedy Nunes como candidato ao Senado. Como os petebistas têm conversas com o Progressistas e agora até lançaram um pré-candidato, o Pros deve lançar um candidato próprio a senador — o nome deve ser definido até o fim de junho.

Leia também

Saiba quanto cada partido deve receber do Fundo Eleitoral; só uma sigla renunciou à verba

Amin, PSDB e Kennedy: a chapa desejada pelo Progressistas

Décio cogita Merísio como vice para repetir Lula e Alckmin: “Seria um bom chuchu para mim”

Colunistas