A Polícia Federal cumpriu, na manhã desta quinta-feira (8), quatro mandados de prisão e 33 de busca e apreensão contra políticos e militares suspeitos de planejar um suposto golpe de Estado para manter o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) no poder.

Continua depois da publicidade

Siga as notícias do NSC Total pelo Google Notícias

Mandados de prisão preventiva 

Segundo a PF, há mandados de prisão preventivas contra: 

  • Filipe Martins, ex-assessor especial de Bolsonaro;
  • Marcelo Câmara, coronel do Exército citado em investigações como a dos presentes oficiais vendidos pela gestão Bolsonaro e a das supostas fraudes nos cartões de vacina da família Bolsonaro;
  • Rafael Martins, major das Forças Especiais do Exército;
  • Bernardo Romão Corrêa Netto, coronel do Exército.

Continua depois da publicidade

Núcleos de atuação dos atos golpistas

Segundo informações divulgadas pela PF, o grupo investigado “se dividiu em núcleos de atuação para disseminar a ocorrência de fraude nas Eleições Presidenciais de 2022, antes mesmo da realização do pleito, de modo a viabilizar e legitimar uma intervenção militar, em dinâmica de milícia digital”. Conforme a PF, o grupo investigado se dividiu em dois núcleos de atuação.

O primeiro era voltado a construir e propagar informações falsas sobre uma suposta fraude nas urnas, apontando “falaciosa vulnerabilidade do sistema eletrônico de votação”.

Já o segundo núcleo, praticava atos para subsidiar a abolição do Estado Democrático de Direito – ou seja, para concretizar o golpe.

De acordo com as investigações, se as condutas do grupo forem confirmadas, elas poderão ser enquadradas em crimes como organização criminosa, abolição violenta do Estado Democrático de Direito e golpe de Estado.

Continua depois da publicidade

Leia também

Ex-governador Moisés vira cervejeiro e assina rótulo com marca famosa

Prefeitura terá que exonerar metade dos servidores em SC

Destaques do NSC Total