nsc
dc

De saída

Rogério Caboclo é afastado da presidência da CBF após ser acusado de assédio

Decisão de afastar o dirigente por 30 dias foi tomada pelo conselho de ética da entidade

06/06/2021 - 16h59 - Atualizada em: 06/06/2021 - 17h10

Compartilhe

Folhapress
Por Folhapress
Rogério Caboclo
Rogério Caboclo é presidente da CBF desde 2019
(Foto: )

Rogério Caboclo foi afastado da presidência da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) por 30 dias. O presidente não atendeu aos pedidos para se afastar nos últimos dias e resistiu até o fim, mas neste domingo (6) foi retirado do cargo por decisão do conselho de ética da entidade.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

Caboclo terá tempo para se defender da acusação de assédio moral e sexual feito por uma cerimonialista da entidade. A decisão de afastamento ocorre após quase uma semana de tentativas e pedidos de diretores da confederação e presidentes de federações estaduais para que Caboclo se afastasse.

Como último argumento para convencê-lo lhe foi sugerido atender ao conselho do diretor de governança, André Megale, de se licenciar por tempo determinado. Talvez, seis meses, para se defender das acusações de assédio sexual e moral feitos por uma cerimonialista da confederação.

Os argumentos apresentados a Caboclo, segundo soube a reportagem, era que a saída dele, mesmo que temporária, abafaria todos os problemas.

Faria sair do noticiário a denúncia de assédio, aplacaria o descontentamento dos jogadores da seleção e de Tite, garantiria a realização da Copa América sem sobressaltos e atenderia ao desejo manifestado por presidentes de outras confederações nacionais, da Conmebol e até de representantes da Fifa: tirá-lo da organização do torneio.

O cartola continuou a negar essa possibilidade. A pelo menos um presidente de federação do Nordeste disse que se sair, a chance de não voltar é grande.

Coronel Nunes assume a presidências temporariamente

Antônio Carlos Nunes de Lima, o coronel Nunes, assume a presidência por ser o vice mais velho (82 anos). Ele ocupou o cargo entre fevereiro de 2017 e abril de 2019, no período entre o banimento de Marco Polo Del Nero e a posse de Caboclo, eleito para ficar até 2023.

O vácuo no poder da confederação será discutido nesta segunda-feira (7), para quando foi convocada uma reunião extraordinária dos oito vices da entidade. Dois deles disseram à reportagem que quase todos estarão presentes. Há dúvida a respeito da presença de Fernando Sarney, que está em quarentena por causa da Covid-19.

Alguns vices da CBF já foram sondados sobre a possibilidade de assumir o lugar do atual presidente na organização da Copa América. Por ter sido decidido às pressas que a sede seria o Brasil, não houve tempo para montar um comitê organizador. Tudo tem sido resolvido por Caboclo. Mas a polêmica de abrigar o torneio faz com que os demais cartolas tenham mostrado resistência em herdar a atribuição.

Leia também:

> Vídeo: transmissão flagra “despedida” de Tite e Rogério Caboclo

> Possível demissão de Tite fortalece crise na Seleção, com reação de bolsonaristas; entenda

Colunistas