Santa Catarina teve a maior taxa de doadores de órgãos do Brasil em 2022, com 44,8 doadores efetivos a cada um milhão de habitantes. O número é quase três vezes maior que a média nacional, de 16,5 por milhão da população. O Estado manteve a liderança do ranking pela 14ª vez em 18 anos, segundo o relatório anual da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO).

Continua depois da publicidade

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

O Estado contou com o quarto maior número absoluto de doadores, com 329 pessoas, e ficou atrás de unidades federativas com populações maiores. São Paulo obteve 975 doadores, o Paraná contou com 471 e o Rio de Janeiro com 349. Cada uma dessas pessoas pode doar órgãos e tecidos a depender do quadro clínico para um ou mais pacientes.

Outro destaque de Santa Catarina foi o registro do maior percentual do país com relação à quantidade de doadores efetivos sobre o número de notificações para possíveis cirurgias. Cerca de 45% dos doadores em potencial concluíram o processo e efetivaram alguma doação. No ano passado, foram 728 notificações em território catarinense e apenas 55% não foram realizadas. Entre os principais motivos para a negativa estão a recusa das famílias e a contraindicação médica.

Transplante de órgãos bate recorde em 2022 e pacientes de SC comemoram: “Vontade de viver”

Continua depois da publicidade

No ranking da ABTO, o Estado é seguido pelo Paraná, que obteve 40% de sucesso na conversão de notificações para doações efetivas, Ceará, com 35%, e Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, ambos com 30%.

Gráfico do número de doadores de órgãos por estado do Brasil (Imagem: Reprodução/ABTO)

No total, Santa Catarina chegou a 1.521 cirurgias de transplante em 2022 e bateu o próprio recorde, segundo a Secretaria de Estado da Saúde (SES). Foram 14 cirurgias a mais do que em 2019, que tinha a melhor marca anual até então. 

Quem são os doadores de órgãos em SC

O relatório anual da ABTO ainda possui informações sobre o perfil dos doadores de órgãos por estado. Em Santa Catarina, 65% são homens e 35% são mulheres. A proporção é semelhante à média nacional, que também conta com maioria masculina.

Entenda por que cidade da Grande Florianópolis tem metade dos casos de dengue de SC

A faixa etária com maior número de doadores é dos 50 aos 64 anos, representando 34% das pessoas que doaram órgãos e tecidos — mesma porcentagem que a média brasileira. Em seguida estão pessoas dos 35 até 49 anos, como 22% dos doadores. Do zero aos 17 anos, o Estado contou com 14 doadores pediátricos, cerca de 4,2% do total.

Continua depois da publicidade

A causa de óbito com mais doadores foi o Acidente Vascular Cerebral (AVC), presente em 57% dos casos de doadores efetivos. Na sequência estão vítimas de traumatismo cranioencefálico, cerca de 29% dos doadores. As outras causas contabilizadas pela associação são ausência ou diminuição da oxigenação no cérebro, tumores ou outras condições.

Demandas de transplantes em SC

Ainda conforme o levantamento da associação, a maior demanda anual de transplante em Santa Catarina é de córnea, com estimativa de 653 órgãos necessários para cirurgia. A outra principal carência é de doadores de rim, com necessidade estimada em 435. Já com relação ao transplante de fígado, a demanda é de 181. Tanto as cirurgias de coração e quanto de pulmão são estimados em 58 doadores necessários.

Em três anos de pandemia de Covid-19, ciência e vírus evoluíram

Em 2022, 33 equipes de saúde realizaram transplantes durante o ano em território catarinense. Mais da metade atuou em cirurgias de córnea.

Veja o número de transplantes realizados em SC no ano passado:

  • Córnea – 640
  • Rim – 269 (8 de doador vivo e 261 de doador falecido)
  • Fígado – 134
  • Pâncreas – 7
  • Coração – 8
  • Medula óssea – 123

Continua depois da publicidade

Leia também

Apesar do início da campanha nacional, SC ainda não recebeu vacinas contra a mpox

Hospital Infantil de Florianópolis reduz uso de oxigênio na unidade

Destaques do NSC Total