Apesar de Santa Catarina estar entre os estados com maior número de vacinados contra a Covid-19, ainda há uma baixa procura para finalizar o ciclo vacinal no Estado. Apenas cerca de 30% da população apta a tomar o reforço voltou para receber a dose, segundo dados do vacinômetro do governo do Estado. 

Continua depois da publicidade

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Os números preocupam; segundo o que afirmou o secretário de Saúde de SC, André Motta Ribeiro, durante uma coletiva de imprensa no início do mês, o perfil de internados nas UTIs catarinenses são pessoas sem a dose de reforço ou com apenas a primeira dose. Nesse perfil estão ainda os idosos com mais de 60 anos, que não completaram o esquema vacinal. 

  • 1ª dose: 83,56% da população de SC; 
  • 2º dose: 76,07%; 
  • Dose de reforço: 30,01%

– Estamos demonstrando através dos dados a importância de completar o esquema vacinal. A doença evoluiu, temos uma nova variante altamente transmissível, mas sabemos que a vacina é a nossa principal proteção – explicou Motta. 

Continua depois da publicidade

Adesão à vacina por idade

  • 18 a 19 anos: 102,09% – 1ª dose l 84,42% – 2º dose l 10,39% – dose de reforço.
  • 20 a 29 anos: 99,12% – 1ª dose l 84,99% – 2º dose l 10,43% – dose de reforço.
  • 30 a 39 anos: 95,81% – 1ª dose l 90,23% – 2º dose l 17,27% – dose de reforço.
  • 40 a 49 anos: 88,97% – 1ª dose l 97,83% – 2º dose l 27,34% – dose de reforço.
  • 50 a 59 anos: 97,05% – 1ª dose l 95,26% – 2º dose l 35,32% – dose de reforço.
  • 60 a 69 anos: 104,46% – 1ª dose l 103,52% – 2º dose l 57,42% – dose de reforço.
  • 70 a 79 anos: 103, 84% – 1ª dose l 102,36% – 2º dose l 83,19% – dose de reforço.
  • 80 anos ou mais: 97,56% – 1ª dose l 93,03% – 2º dose l 73,65% – dose de reforço.

O grupo com maior número de pessoas com o esquema vacinal completo está entre idosos – faixa etária entre os grupos de risco com potencial de evoluir a doença de forma grave. 

Um estudo feito pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive) apontou que o risco de morte entre idosos não vacinados ou com a imunização incompleta é 47 vezes maior que entre aqueles que tomaram as três doses contra a doença.

– Se não tivéssemos as vacinas, as hospitalizações seriam 30 vezes maior e as mortes 40 vezes (…). Precisamos primeiro completar a dose de reforço – afirmou o secretário de saúde durante coletiva.

Continua depois da publicidade

Mortes por Covid-19 

Apenas em fevereiro, Santa Catarina registrou 493 óbitos por Covid-19. Número que indica uma média de 22 mortes por dia, por coronavírus, no Estado.

> Número de mortes por Covid cresce e SC tem 208 óbitos em apenas 9 dias

Os dados registrados apenas nos 22 dias de fevereiro já ultrapassam os óbitos registrados em janeiro. No primeiro mês do ano, Santa Catarina registrou 420 mortes pela doença. Cerca de 17% a mais do que em janeiro. 

Peguei Covid, posso tomar a terceira dose?

Pessoas infectadas pela doença devem esperar 30 dias, após o início dos sintomas, para receber a dose de reforço. O intervalo é recomendado para que haja uma precaução em relação aos efeitos colaterais indesejáveis da vacina e, muitas vezes, graves, conforme explica o virologista Fernando Spilki.

> Quem pegou Covid-19 pode tomar a terceira dose da vacina?

Além disso, segundo o especialista, algumas pessoas podem não reagir à vacina como o esperado, justamente por estarem debilitadas ou enfraquecidas após a contaminação da doença. O intervalo recomendado é o tempo necessário para a redução dos níveis de anticorpos no corpo, conforme explica. 

Continua depois da publicidade

Leia também

Mês de janeiro registra 4ª menor distribuição de testes para Covid-19 desde agosto de 2021

Bilhetes em caixas de correio espalham notícias falsas sobre vacina contra Covid em SC

Ômicron tem sintomas diferentes em crianças; saiba como reconhecer

Destaques do NSC Total