nsc
dc

Eliminação

Seleção brasileira feminina perde do Canadá nos pênaltis e é eliminada das Olimpíadas

Equipe pouco inspirada terminou a prorrogração no 0 a 0 e não conseguiu passar para a semifinal

30/07/2021 - 07h44

Compartilhe

Folhapress
Por Folhapress
Seleção brasileira é eliminada antes de chegar ao pódio
Seleção brasileira é eliminada antes de chegar ao pódio
(Foto: )

O Brasil perdeu para o Canadá por 4 a 3 nos pênaltis depois de um empate em 0 a 0 na prorrogação nesta sexta-feira (30). Com o resultado, a seleção brasileira foi eliminada nas quartas de final do futebol feminino das Olimpíadas de Tóquio.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

O Brasil estava pouco inspirado ofensivamente. Os maiores destaques foram na defesa. Titular e presente do início ao fim em todos os jogos, Rafaelle repetiu o bom desempenho ao vencer quase todos os duelos pessoais rasteiros e pelo alto, e também aparecer no ataque com tempo de bola preciso em jogadas aéreas.

A parceria de zaga Érika também foi fundamental ao cortar sem falta um lance de profundidade de Deanne Rose na área, já nos 40 minutos do segundo tempo, e ainda cabecear uma das melhores chances do Brasil já no segundo tempo da prorrogação.

Os problemas das duas equipes — tanto quanto as qualidades — estavam claros: o Canadá sofria para sair jogando pelo chão e o Brasil não tinha coordenação no meio-campo. As principais jogadas tiveram base no entrosamento das duplas Lawrence e Beckie e Tamires e Marta. Aos 33, a árbitra Stephanie Frappart apitou um pênalti sobre Duda, mas anulou a marcação depois de consulta ao VAR.

> Brasil bate a Argentina e vence a primeira no handebol masculino nos Jogos de Tóquio

Protagonista incontestável da seleção brasileira, Marta não foi bem contra o Canadá. No primeiro tempo foi deixada por Pia muito presa, como meia pelo lado esquerdo, com uma grande responsabilidade defensiva. Sem aproximação de Tamires nas jogadas ofensivas, ficou mais solta no segundo tempo, caiu também pela direita, e aí as decisões erradas e o acúmulo de desgaste atrapalharam. 

A impressão é de que Pia não conseguiu tirar o melhor da camisa 10, que na prorrogação passou longe de qualquer disposição física que pudesse fazer a diferença.

Primeiro tempo

Cada equipe teve duas chances mais claras no primeiro tempo. As do Canadá em finalização de Quinn, por cima do gol, no rebote de Bárbara depois de uma cobrança de escanteio, e de Beckie com chute rasteiro após lançamento nas costas da marcação. 

> Mayra Aguiar faz história e conquista o bronze para o Brasil no judô das Olimpíadas

As do Brasil envolveram um chute de Tamires após assistência de Marta, também por cima do travessão, e uma conclusão de Debinha após tomada de bola da zagueira Vanessa Gilles.

Segundo tempo

O segundo tempo começou meio igual. Rafaelle fez Stephanie Labbe trabalhar de um lado e Gilles acertou o travessão num cabeceio, ambas em cobranças de escanteio. Pia resolveu agir com a entrada de Ludmila. O volume ofensivo melhorou e os momentos de domínio aumentaram, mas ainda faltava conexão entre meio e ataque. Conforme o tempo foi passando e a perspectiva de prorrogação se anunciou, os times botaram o pé no freio, tentaram uma ou outra esticada de bola e não mais do que isso, inclusive nos quatro minutos de acréscimos.

> "The Witcher": atleta russa chama atenção por usar amuleto da saga nas Olimpíadas

Prorrogação

As treinadoras não fizeram mudanças no intervalo do tempo normal para a prorrogação, mesmo com suas equipes desgastadas, o que fez com que a lógica do jogo não mudasse. Aos dez minutos, Pia colocou Andressa Alves. Bev Priestman também refrescou seu time com alterações. 

As melhores chances foram de Debinha em associações com as jogadoras mais descansadas do Brasil, Ludmila e Andressa Alves, e Érika num cabeceio em que a goleira Stephanie Labbe apareceu bem. O Brasil foi melhor, mas não fez gol.

> Confira notícias e quadro de medalhas das Olimpíadas

Agora o Canadá segue para a semifinal, que será na segunda-feira (2), às 8h, no Estádio Internacional de Yokohama, contra Holanda ou Estados Unidos, que jogam mais tarde para definir quem avança.

Leia também

Sexta-feira traz o frio do ano a Santa Catarina; veja previsão

Balneário pode ter prédio gigante de 154 andares e 500 metros

Repórter da NSC enrolado em cobertor viraliza na web: "Frio"

Colunistas