nsc
    dc

    Julgamento

    Impeachment dos respiradores: desembargadores que vão formar segundo tribunal são escolhidos

    Tribunal de Julgamento formado por cinco desembargadores e cinco deputados vai analisar segundo processo contra o governador Moisés

    26/10/2020 - 15h27

    Compartilhe

    Lucas
    Por Lucas Paraizo
    Sorteio desembargadores
    Desembargadores foram sorteados em sessão extraordinária do TJSC nesta segunda-feira
    (Foto: )

    Os cinco desembargadores que vão participar do Tribunal de Julgamento do segundo processo de impeachment contra o governador Carlos Moisés (PSL) foram definidos nesta segunda-feira (26). Os nomes foram sorteados em sessão extraordinária do TJSC (Tribunal de Justiça de Santa Catarina).

    Foram sorteados os seguintes desembargadores: Luiz Zanelato, Sônia Maria Schmitz, Rosane Portella Wolff, Luiz Antônio Fornerolli e Roberto Lucas Pacheco.

    Dos 90 desembargadores, 81 participaram do sorteio. Os desembargadores Cid Goulart, Altamiro de Oliveira, Carlos Adilson Silva, Sebastião Evangelista e José Mauricio Lisboa também foram sorteados, mas declararam suspeição e preferiram não participar do tribunal de julgamento.

    > Conheça Daniela Reinehr, a primeira mulher a governar SC

    O segundo processo de impeachment envolve o caso dos respiradores comprados pelo governo de SC com pagamento antecipado de R$ 33 milhões. Neste caso, a vice-governadora Daniela Reinehr já foi inocentada ainda na primeira fase, na comissão especial que analisou o caso na Alesc. Agora, o pedido de impeachment contra Moisés entra na fase do tribunal de julgamento, formado pelos cinco desembargadores sorteados e cinco deputados estaduais indicados pela Assembleia Legislativa de SC. A expectativa é de que a votação na Alesc ocorra nesta terça-feira (27).

    O fato de Moisés já estar afastado não afeta o andamento deste segundo processo de impeachment. Caso o tribunal aprove o prosseguimento, os dois julgamentos ocorrerão de forma paralela com o governador fora do cargo temporariamente.

    Para o impeachment, a acusação é de que Moisés teria mentido para a CPI dos respiradores e deixado de punir os envolvidos no caso. O texto cita também o caso do hospital de campanha de Itajaí, que nunca saiu do papel por suspeitas de superfaturamento.

    Os próximos passos

    Depois de formado, o tribunal de julgamento vai ter 10 dias para preparar e votar um relatório sobre o prosseguimento ou não do processo de impeachment contra o governador e a vice. O trâmite é igual ao que resultou na votação da última sexta-feira (23), quando Moisés foi afastado do cargo.

    A votação será por maioria simples, e em caso de empate o presidente do TJ, Ricardo Roesler, tem o voto de desempate. É Roesler também que irá sortear o relator do processo no tribunal, que poderá ser qualquer um dos integrantes, com exceção do deputado Valdir Cobalchini (MDB), que já foi o relator na comissão especial dentro da Alesc.

    Leia também

    “Máfia da toga”: imagens flagram deputado criticando desembargadores em votação do impeachment

    STF nega por unanimidade ação que questionava rito do impeachment em Santa Catarina

    "Não houve uma derrota total", diz Carlos Moisés em primeira entrevista após afastamento

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Política

    Colunistas