nsc
hora_de_sc

publicidade

Intolerância

Suspeita de depredar imagem de Iemanjá em Florianópolis é indiciada por discriminação religiosa

Inquérito policial foi remetido à Justiça na tarde desta terça-feira (15). Caso aconteceu em setembro, no Ribeirão da Ilha

15/10/2019 - 21h13 - Atualizada em: 15/10/2019 - 21h15

Compartilhe

Redação
Por Redação Hora
estátua iemanjá
Após ataque, imagem teve as mãos, um ornamento na cabeça e a base danificadas
(Foto: )

A Polícia Civil indiciou uma mulher suspeita de ter depredado uma imagem de Iemanjá em Florianópolis pelo crime de discriminação ou preconceito à religião. O caso ocorreu no dia 19 de setembro, no bairro Ribeirão da Ilha. O inquérito policial foi remetido à Justiça na tarde desta terça-feira (15).

Segundo a Polícia Civil, após a identificação da mulher, os policiais encontraram na casa dela uma marreta idêntica a que aparece no vídeo que registrou o ato. Na filmagem, feita por um morador, uma mulher aparece golpeando a estátua por 23 vezes. A imagem teve as mãos, um ornamento na cabeça e a base danificadas.

Ainda conforme a Polícia Civil, a marreta foi encontrada durante o cumprimento de um mandado de busca e apreensão, autorizado pela Justiça após os investigadores descobrirem o endereço da mulher. As investigações foram comandadas pelo delegado Abel Mantovani Bovi, da 2ª Delegacia de Polícia do Saco dos Limões.

A suspeita foi enquadrada no artigo 20 da lei número 7.716 de 1989, que define como crime “praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional”. A pena prevista é de um a três anos de reclusão e multa.

A estátua de Iemanjá, que mede 1,80 metros, está no Ribeirão da Ilha desde 2013, e foi colocada no local pela Sociedade Ylê de Xangô, que mantém um centro de umbanda que fica em frente à imagem.

Essa não foi a primeira vez que ela foi alvo de ataques. Em novembro de 2018, a estátua teve parte de sua estrutura pintada com tinta vermelha e algumas partes danificadas. O ato foi denunciado pela Ylê de Xangô, mas o autor não foi localizado.

Deixe seu comentário:

publicidade