nsc
    dc

    Conta de luz

    Conta de luz da Celesc aumenta em média 8,14% a partir de 22 de agosto

    Reajuste da ANEEL será maior entre os consumidores residenciais, e ficará em 7,67% para os clientes de alta tensão como indústrias

    19/08/2020 - 09h07

    Compartilhe

    Lariane
    Por Lariane Cagnini
    celesc
    Contas da Celesc vão sofrer reajuste a partir de 22 de agosto
    (Foto: )

    A conta de luz para consumidores da Celesc vai aumentar em média 8,14% a partir de 22 de agosto. A Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) anunciou o reajuste nesta terça-feira (18), que originalmente ficaria em 15,52%. 

    Saiba como receber notícias do NSC Total no WhatsApp

    O empréstimo da Conta-Covid, via Ministério de Minas e Energia, foi o que contribuiu para reduzir o impacto do reajuste da concessionária em -7,38%, segundo a Celesc.

    Cresce 33% inadimplência de consumidores da Celesc em SC

    Os consumidores residenciais, residenciais baixa renda, rurais, iluminação pública e comércio atendidos em baixa tensão (Grupo B), que representam 79% do mercado consumidor na área de concessão da Empresa, terão reajuste de 8,42%. 

    Para indústrias e unidades comerciais de grande porte (como shopping centers), atendidos em alta tensão (Grupo A), o efeito médio será de 7,67%.

    Curso online de educação financeira com instrutoras youtubers é lançado pela Serasa

    Os itens que mais impactaram para a composição do valor do reajuste foram os custos de aquisição de energia, custos de transmissão e os encargos setoriais, segundo a Celesc. 

    Para o presidente da Câmara de Energia da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC), Otmar Muller, o reajuste próximo a 8%, no momento em que a sociedade sofre as consequências da pandemia da Covid-19, "é um golpe doloroso e difícil de suportar, especialmente para as populações carentes e as empresas mais frágeis", disse.

    Concursos públicos em SC: confira vagas disponíveis em agosto, salários e como se inscrever

    - É agravado pelas consequências nefastas de medidas erradas do governo federal em 2013. E ainda é carregado pelos subsídios embutidos na Conta Desenvolvimento Energético, que onera de forma discriminatória Santa Catarina e os demais estados do Sul - analisa Muller.

    Colunistas