nsc
    an

    Saúde na pandemia

    Como funciona cada teste para detectar coronavírus

    Recomendação do Ministério da Saúde é para que todos sejam considerados em caso de resultado positivo

    23/07/2020 - 16h16 - Atualizada em: 23/07/2020 - 16h27

    Compartilhe

    Hassan
    Por Hassan Farias
    foto mostra pessoa fazendo o teste do furo no dedo, o sorológico
    Teste rápido é feito com um furo no dedo e, segundo o Ministério da Saúde, deve ser validado como resultado
    (Foto: )

    A aplicação de testes para coronavírus tem crescido em todo o país, em especial em Santa Catarina, que registra um grande aumento de casos e mortes de pessoas com Covid-19 desde o início do inverno. Em alguns casos, o diagnóstico é feito com o RT-PCR, o "teste do cotonete"; enquanto em outros casos, é feito com o sorológico. Entenda como funciona e para que é indicado cada teste.

    Saiba quais são os critérios para fazer o teste de coronavírus em Joinville

    O infectologista Luiz Henrique Melo, coordenador do Centro de Triagem de Joinville, gravou um vídeo em que explica as diferenças entre os testes. Segundo ele, são dois tipos básicos, sendo que o sorológico tem dois subtipos.

    O RT-PCR, conhecido como o teste em que um cotonete é inserido no nariz da pessoa, é recomendado para quem tem sintomas de coronavírus. Já o sorológico é recomendando para quem não apresenta sintomas. Pode ser aplicado em formato de teste rápido (com furo no dedo) ou sorológico (tirando sangue).

    — As recomendações do Ministério da Saúde já orientam que todo caso positivo, seja sorológico, seja teste rápido ou teste RTPCR, sejam considerados positivos. Não é necessário repetir o teste, confirmar o teste, e sim deve-se seguir a recomendação para cada um deles — explica o médico.

    > Ministério da Saúde gastou menos de um terço da verba para Covid, diz TCU

    RT-PCR

    Recomendado: para quem apresenta sintomas.

    Como funciona: é inserido um swab (espécie de cotonete) no nariz da pessoa para a coleta de material genético, que será analisado em laboratório. Segundo a Anvisa, o teste RT-PCR é de padrão ouro e considerado definitivo no diagnóstico do vírus.

    Quando deve ser feito: o teste RT-PCR deve ser realizado entre o terceiro e sétimo dia de sintomas para aumentar a chance de detecção da carga viral, de acordo com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

    O que fazer em caso de resultado positivo: o infectologista Luiz Henrique Melo afirma que a pessoa precisa ficar em isolamento social por 14 dias, a contar do início dos sintomas.

    Joinville diagnosticou 111 novos casos de coronavírus por dia em julho

    TESTE RÁPIDO

    Recomendado: para quem não tem sintomas.

    Como funciona: é retirada uma amostra de sangue com um furo no dedo. O resultado sai em um intervalo de 10 a 30 minutos, de acordo com a Anvisa.

    Quando deve ser feito: a Anvisa explica que o teste rápido é recomendado para auxiliar no mapeamento da população que já teve o vírus ou foi exposta a ele. Ele não tem função de diagnóstico, segundo a agência nacional.

    O que fazer em caso de resultado positivo: o teste rápido traz dois resultados. O IgG indica que a pessoa teve a infecção há mais de 19 dias e não precisa fazer o afastamento. Já o IgM aponta se houve infecção recente, inclusive com a possibilidade da pessoa ainda estar com o vírus ativo. Por isso, a recomendação é um afastamento de sete dias, de acordo com o infectologista Luiz Henrique Melo.

    TESTE SOROLÓGICO

    Recomendado: para quem não tem sintomas.

    Como funciona: é retirada uma amostra de sangue, que posteriormente é colocado em uma máquina para medir a quantidade de anticorpos presente no corpo. O resultado sai em cerca de duas horas, de acordo com a Anvisa.

    Quando deve ser feito: a Anvisa explica que o teste sorológico é recomendado para auxiliar no mapeamento da população que já teve o vírus ou foi exposta a ele. Ele não tem função de diagnóstico, segundo a agência nacional.

    O que fazer em caso de resultado positivo: o teste sorológico também traz dois resultados. O IgG indica que a pessoa teve a infecção há mais de 19 dias e não precisa fazer o afastamento. Já o IgM aponta se houve infecção recente, inclusive com a possibilidade da pessoa ainda estar com o vírus ativo. Por isso, a recomendação é um afastamento de sete dias, de acordo com o infectologista Luiz Henrique Melo.

    Assista às orientações em vídeo:

    gráfico mostra passo a passo do teste RT-PCR de coronavírus
    Entenda como funciona o "teste do cotonete"
    (Foto: )

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Saúde

    Colunistas