nsc
    dc

    Mobilidade e logística

    Todos os eixos rodoviários catarinenses precisam de melhorias urgentes, alerta estudo da Fiesc

    Evento online debate a infraestrutura de transporte do Estado

    29/10/2020 - 05h48

    Compartilhe

    Redação
    Por Redação DC
    Caminhões na estrada
    Uma estrada ruim acresce o consumo de combustível em 58%, aota estudo
    (Foto: )

    Todos os corredores rodoviários estratégicos de Santa Catarina precisam de amplos programas de melhoria. Esta foi a tese central defendida pelos engenheiros Ricardo Saporiti e Saulo Noronha, consultores da Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc) para transporte e logística, durante o segundo dia de oficinas online sobre corredores logísticos e a infraestrutura do Estado, nesta quarta-feira (28). O evento se encerra com mais um debate, nesta quinta (29), a partir das 14h.

    - Temos que levar essas demandas ao Ministério da Infraestrutura e buscar uma solução que, diante da impossibilidade de investimentos públicos,  contemple a participação da iniciativa privada - defendeu o presidente da Fiesc, Mario Cezar de Aguiar.

    Quanto pesam as perdas econômicas e ambientais com a BR-101 engarrafada

    O estudo apresetado por Saporiti e Noronha nos principais eixos de transporte rodoviário em cada região do estado aponta a necessidade de duplicação de segmentos críticos, implantação de terceiras faixas e de acostamentos. 

    Nos núcleos urbanos, ciclovias, melhorias de raios de curva, travessias urbanas planas ou aéreas, entre outros serviços diversos, que aumentem a segurança e a velocidade média de tráfego para, no mínimo, 60 Km/h. Noronha defende a existência de um programa de manutenção programada, efetiva, periódica e emergencial.

    Para Ricardo Saporiti, uma estrada mal conservada implica no aumento do custo do transporte e na competitividade das indústrias:

    - Uma estrada ruim acresce o consumo de combustível em 58%, aumenta o custo operacional das transportadoras em 40%, o índice de acidentes, em 50% e o tempo de viagem em 100%. Tudo isso significa custo.

    Governo quer tirar caminhões com mais de 30 anos das estradas

    O presidente do Sindicato da Indústria da Construção Pesada do Estado de Santa Catarina (Sicepot-SC) e ex-presidente da SCPar, Gabriel Vieira, defendeu, para situações em que não haja possibilidade de implantar praças de pedágio, que as concessões de manutenção de rodovias sejam realizadas no modelo PPP (Parceria Público-Privada) Administrativa. Nesse modelo, o Estado realiza um contrato de longo prazo para manutenção da rodovia e remunera a empresa sem que haja cobrança de pedágio.

    - Temos um patrimônio avaliado em mais de R$ 21 bilhões que precisa ser preservado - disse, referindo-se aos 6 mil quilômetros de rodovias estaduais de Santa Catarina, sem contar os 2,2 mil quilômetros de rodovias federais que existem no território catarinense.

    Programação

    Em seu terceiro e último dia, nesta quinta, a partir das 14h, a oficina tratará da visão sobre os corredores logísticos estratégicos catarinenses. Confirmaram participação Ronaldo Carioni, superintendente do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) em Santa Catarina; Thiago Vieira, secretário de Infraestrutura e Mobilidade do Estado de Santa Catarina; e Ari Rabaiolli, presidente da Federação das Empresas de Transporte de Carga do Estado de Santa Catarina (Fetrancesc). O evento será transmitido pelo canal youtube.com.br/FIESC_oficial

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Economia

    Colunistas