Políticos e figuras públicas reagiram ao assassinato do militante petista Marcelo Arruda por um bolsonarista na noite de sábado (9), em Foz do Iguaçu, Paraná.

Continua depois da publicidade

Receba notícias do DC via Telegram

Nomes como os pré-candidatos à Presidência Ciro Gomes (PDT) e Simone Tebet (MDB) foram às redes neste domingo (10) para lamentar o ocorrido, assim como deputados, senadores e presidentes de partidos. Aliados do presidente Jair Bolsonaro (PL) não comentaram o caso.

O policial penal federal bolsonarista Jorge José da Rocha Guaranho invadiu a festa de aniversário de Marcelo, que tinha a tema a favor do PT. Ele ficou ferido após a troca de tiros.

Segundo o boletim de ocorrência, Marcelo comemorava seu aniversário de 50 anos em festa temática a favor do PT quando Jorge José da Rocha Guaranho passou em frente ao local de carro e afirmou “aqui é Bolsonaro”. Houve discussão e Guaranho disse que retornaria.

Continua depois da publicidade

Segundo as testemunhas, Marcelo então foi ao seu carro e pegou sua arma. Depois, Guaranho retornou e houve troca de tiros.

Marcelo era guarda municipal e tesoureiro do partido.

Marcelo Arruda fez uma festa temática do PT para comemorar os 50 anos
Marcelo Arruda fez uma festa temática do PT para comemorar os 50 anos (Foto: Arquivo pessoal)

Veja repercussão

Ciro Gomes (PDT) – “O ódio político precisa ser contido para evitar que tenhamos uma tragédia de proporções gigantescas”, escreveu em rede social. “É triste, muito triste, a tragédia humana e política que tirou a vida de dois pais de família em Foz do Iguaçu.”

Gleisi Hoffmann – em vídeo publicado em seu perfil no Twitter, a presidente nacional do PT criticou o crescimento da violência política no país e o presidente Jair Bolsonaro (PL).

“Embalados por esse discurso de ódio de Bolsonaro e perigosamente armados pela política oficial dele, que estimula cotidianamente o enfrentamento, o conflito, o ataque e a eliminação de adversários, quaisquer pessoas ensandecidas por esse projeto de morte e destruição vem se transformando em agressores ou assassinos”, diz Gleisi.

Continua depois da publicidade

Jair Bolsonaro – presidente disse que dispensa o “apoio de quem pratica violência contra opositores”.

“Dispensamos qualquer tipo de apoio de quem pratica violência contra opositores. A esse tipo de gente, peço que por coerência mude de lado e apoie a esquerda, que acumula um histórico inegável de episódios violentos”, escreveu o chefe do Executivo.

“É o lado de lá que dá facada, que cospe, que destrói patrimônio, que solta rojão em cinegrafista, que protege terroristas internacionais, que desumaniza pessoas com rótulos e pede fogo nelas, que invade fazendas e mata animais, que empurra um senhor num caminhão em movimento”, completou.

Luiz Inácio Lula da Silva – o ex-presidente afirmou que Marcelo “evitou uma tragédia maior” e pediu “compreensão e solidariedade” aos familiares Guaranho.

Continua depois da publicidade

“Nosso companheiro Marcelo Arruda comemorava o seu aniversário de 50 anos com a família e amigos, em paz, em Foz do Iguaçu. Filiado ao Partido dos Trabalhadores, sua festa tinha como tema o PT e a esperança no futuro; com a alegria de um pai que acabou de ter mais uma filha”, escreveu. “Também peço compreensão e solidariedade com os familiares de José da Rocha Guaranho, que perderam um pai e um marido para um discurso de ódio estimulado por um presidente irresponsável.”

Randolfe Rodrigues – o senador escreveu em rede social que “a intolerância mata, acaba com famílias e faz o ódio vencer”.

“Marcelo Arruda tinha 50 anos, deixou esposa e 4 filhos, entre eles um bebê de 1 mês. Essa intolerância que nos tirou duas vidas, na madrugada deste triste domingo, infelizmente se reforçou no Brasil nos últimos anos.”

Simone Tebet – pré-candidata à Presidência pelo MDB, ela lamentou o ocorrido, se solidarizou com os familiares das duas vítimas e afirmou que “demonstrações de intolerância, ódio e violência política” não devem ser admitidas.

Continua depois da publicidade

“Esse tipo de situação escancara de forma cruel e dramática o quão inaceitável é o acirramento da polarização política que avança sobre o Brasil. Esse tipo de conflito nos ameaça enormemente como sociedade. É contra isso que luto e continuarei lutando”, afirmou em nota.

Destaques do NSC Total