nsc
dc

Economia

Viver está mais caro em SC? Entenda alta de preços em cinco áreas e como economizar

Alimentação, gás de cozinha, moradia, gasolina e energia elétrica têm aumento de até 35% no último ano no Estado e pressionam orçamento das famílias

07/08/2021 - 14h00 - Atualizada em: 09/08/2021 - 13h53

Compartilhe

Jean
Por Jean Laurindo
Gás de cozinha e inflação do aluguel subiram mais de 30% nos últimos 12 meses em SC
Gás de cozinha e inflação do aluguel subiram mais de 30% nos últimos 12 meses em SC
(Foto: )

Moradia, alimentação, transporte, energia elétrica, gás. Difícil pensar em um orçamento doméstico que não tenha esses itens como os gastos mais representativos de uma família. Em 2021, a sensação de que este seria o ano em que as coisas voltariam ao normal aos poucos deu lugar a um novo período de restrições e impactos da pandemia na economia e na inflação. Afinal, viver ficou mais caro em SC?

SC tem 8,6 mil vagas de emprego anunciadas no Sine; veja a lista

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Para Fabiane Pavani Santana, do bairro Monte Cristo, em Florianópolis, sim. Há três anos, ela vende doces e salgados por encomenda e sentiu na pele o aumento vindo de todos os lados. O botijão de gás, que saiu por R$ 90 em um mês, custou R$ 110 no mês seguinte. Para fugir, uma saída seria a fritadeira elétrica, mas o óleo também disparou no supermercado, assim como a carne, o leite condensado e outros ingredientes para os pratos.

– Para mim é bem ruim porque trabalho com produtos caseiros e não posso subir o preço das minhas encomendas, porque assim muitos clientes já reclamam. Eu perco cliente, perco vendas – conta.

A reportagem do Diário Catarinense levantou a alta de preços em cinco itens que afetam o orçamento doméstico, desde o início do ano e nos últimos 12 meses. Para medir o impacto que os catarinenses de fato têm nos gastos do dia a dia, foram considerados sempre que possível indicadores de Santa Catarina, como a média do preço de gás de cozinha e gasolina no Estado e o indicador de inflação de alimentos calculado pela Escola Superior de Administração e Gerência (Esag) da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc).

O resultado é uma inflação que confirma a sensação do consumidor de que os gastos essenciais ficaram mais altos em 2021. O Índice de Custo de Vida (ICV) geral da Udesc aponta inflação de 5,31% desde janeiro até julho, quatro vezes mais do que no mesmo período de 2020.

No período dos últimos 12 meses, a alta é de 8,92% em SC, próximo da inflação oficial do país nesse mesmo período (8,35% até junho - o indicador de julho ainda não foi divulgado). Mas o consumidor sabe que em alguns itens do dia a dia essa alta pode ser bastante superior, como no caso do gás de cozinha (confira abaixo).

Fabiane Pavani Santana sentiu aumento de gastos como gás de cozinha e alimentos na produção de bolos e salgados
Fabiane Pavani Santana sentiu aumento de gastos como gás de cozinha e alimentos na produção de bolos e salgados
(Foto: )

Petróleo, dólar, quarentena, auxílio: entenda os aumentos

A economista e professora de Economia e Finanças Públicas da Udesc Esag, Ivoneti Ramos, explica que esse aumento no custo de vida é causado por uma conjunção de fatores. Entram nessa conta o aumento de uma demanda que esteve reprimida em 2020 e a retomada de atividades que necessitam de combustíveis, o que eleva o preço do petróleo. Soma-se a isso ainda o fato de as matérias-primas terem ficado mais caras, pela redução da produção e dificuldade de circulação no início da pandemia, e até mesmo questões como a injeção de recursos do auxílio emergencial, que permitiu a mais pessoas comprar alimentos, o que também faz os preços subirem.

O doutor em Finanças Comportamentais e consultor do Jornal do Almoço da NSC TV, Jurandir Sell, lembra que altas como a da energia elétrica e combustível afetam basicamente tudo, porque aumentam o custo de produção ou transporte são repassados aos produtos. Ele alerta ainda que a pandemia agravou ainda mais a concentração de riqueza.

– Os 25% mais pobres empobreceram muito, e os 10% mais ricos enriqueceram muito. E a situação dessas pessoas está desesperadora. Basta andar nas cidades para ver o número de pessoas pedindo. Bares, lanchonetes, pequenas empresas que normalmente empregam pessoas com menor qualificação profissional, simplesmente fecharam – alerta.

Turismo em Florianópolis dá os primeiros passos para a retomada

Entenda a alta de preços em cinco áreas de SC

Gás de cozinha

Dos indicadores consultados, o que mais aumentou no último ano foi o gás de cozinha, novo vilão dos gastos domésticos. O aumento foi de 35,7% no período de um ano, na comparação entre o preço médio do produto em SC segundo a pesquisa da Agência Nacional do Petróleo (ANP).

Em julho de 2020, o botijão de 13 quilos custava R$ 72,50 em SC e, no último mês, o valor médio apontado foi de R$ 98,41. Na “vida real”, o botijão chega a custar R$ 110 em alguns estabelecimentos do Estado. Vendedores de gás da Capital relatam que alguns clientes já estão aderindo aos fogões elétricos para tentar escapar da alta – ainda que a energia também tenha aumentado.

Por que aumentou?

A atual política de preços da Petrobras prevê o reajuste de combustíveis, como gasolina, diesel e também o gás de cozinha, com base na variação do mercado internacional. São considerados principalmente o custo do barril de petróleo, que vem subindo com a retomada econômica, e a cotação do dólar, que sofreu forte alta durante a pandemia impulsionado por fatores como a busca por investimentos mais seguros. Como não há periodicidade definida nos reajustes, é possível que o gás continue aumentando de acordo com as oscilações do mercado externo.

Moradia – aluguel

Outro item que apresentou forte alta foi a chamada inflação do aluguel – o Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M), usado como referência para reajustar os contratos de locação de imóveis. Em 12 meses, o indicador acumulou alta de 33,83%, o que levou muitos locatários a precisarem renegociar seus contratos com proprietários e imobiliárias. Em 2021, a alta do IGP-M já é de 15,98% até julho.

Moradia – construção

Mas a despesa com moradia também pode estar atrelada ao Custo Unitário Básico da Construção (CUB) para quem está construindo ou comprou imóvel na planta. Esse indicador também sofre forte alta. O custo do metro quadrado construído no Estado aumentou 18% nos últimos 12 meses, saltando de R$ 1.974,30 em julho de 2020 para R$ 2.329,85 em junho de 2021. Somente nesse ano o índice já tem aumento de 10,2%, que já é sentido nas parcelas por quem tem financiamento reajustado por essa taxa.

Por que aumentou?

O IGP-M é composto por três índices que consideram, além de preços de alimentos e serviços, também as variações do dólar e das commodities agrícolas no mercado internacional. Com a pandemia de Covid-19 e os reflexos dela na economia, como a alta da moeda americana, o índice ficou muito acima da inflação “real” do país, medida por outro índice, o IPCA, e que considera apenas uma cesta de produtos de maior consumo nas famílias.

No caso do CUB, a construção também ficou mais cara pela redução da atividade industrial, que fornece produtos necessários às edificações e aumento da energia elétrica. Influenciam também a alta de insumos com o aço e um aumento da demanda, já que com as pessoas em casa por mais tempo, os gastos com reformas aumentaram.

Alimentação

Outros gastos com alimentos também aumentaram e são percebidos por quem costuma ir às compras. A alimentação em domicílio, que reflete os aumentos dos preços em supermercados, teve aumento de 7,25% nos últimos 12 meses. Já a alimentação fora de casa, que calcula preços de bares e restaurantes, também subiu – alta de 9,38% no último ano.

Por que aumentou?

Muitas variantes interferem na alta de preços dos alimentos. A alta no preço de matérias-primas, em boa parte impulsionada pela subida do dólar, os gastos maiores com transporte por causa da alta no diesel, o aumento da demanda pelo fato de as pessoas estarem mais tempo em casa durante a pandemia e precisarem preparar suas próprias refeições são alguns dos pontos que explicam essa inflação sobre a alimentação.

Além disso, prejuízos sofridos na safra do milho, importante ingrediente da ração de aves e suínos, e o o auxílio-emergencial, que garantiu algum poder de compra às famílias, utilizado na alimentação, também teve influência na alta de alimentos, segundo a economista da Esag Udesc, Ivoneti Ramos.

Energia elétrica

A energia elétrica sofreu apenas o reajuste anual em agosto do último ano, de pouco mais de 8% em SC, mas no mês passado a tarifa passou a contar com a chamada bandeira vermelha faixa 2. Por sinal, essa faixa da cobrança adicional também teve aumento, passando de R$ 6,24 para R$ 9,49 a cada 100 kWh, um aumento de 52%.

E o que está ruim pode ficar pior. Em 14 Estados já foram autorizados os reajustes anuais a que as empresas têm direito. Em SC, a Celesc informou ainda não haver discussão sobre aumento da tarifa, mas no ano passado, a revisão do valor ocorreu neste mês de agosto.

Por que aumentou?

Como se não bastasse todo o cenário de pandemia e danos à economia, o Brasil também enfrentou nos últimos meses uma crise hídrica. A falta de chuvas fez baixar o nível das usinas hidrelétricas, responsáveis pela maior parte da energia gerada no país. Com isso, foi necessário aumentar a produção de usinas termelétricas, mais prejudiciais ao meio ambiente. Quando isso acontece, a tarifa de energia ganha a cobrança adicional chamada de “bandeira”, que pode ser amarela ou vermelha, a depender da situação energética do país. Em julho, as contas tiveram a taxa extra prevista na bandeira vermelha faixa 2, a mais alta, e que ainda foi reajustada.

Gasolina

Terror dos motoristas, o preço do litro da gasolina em SC também voltou a pesar no bolso das famílias. Depois de um leve respiro nos meses de restrições mais severas da pandemia, quando o consumo e consequentemente o preço caíram, o combustível só faz subir. O valor passou de R$ 4,10 em julho de 2020 para R$ 5,51 na pesquisa de julho – uma alta de 34,4%.

Desde janeiro, o valor saltou de R$ 4,48, o que representa um aumento de 23% somente nos sete meses de 2021. Vale lembrar que a alta de combustíveis como a gasolina e principalmente o diesel ainda têm reflexo nos preços dos produtos e alimentos, já que o transporte das mercadorias ocorre na maior parte por meio rodoviário.

A situação pode ficar ainda pior, já que nesta terça-feira a Petrobras anunciou novo reajuste da gasolina, com possibilidade de que o preço chegue a até R$ 5,99 por litro em SC.

Por que aumentou?

A exemplo do que ocorre no gás de cozinha, a gasolina também é reajustada pela mesma política de preços da Petrobras. Novamente, a alta do dólar e a retomada do preço do barril de petróleo no mercado internacional são repassados ao produto no país pela empresa estatal. O formato de aumentos nos preços já gerou crises e polêmica até na mudança da presidência da Petrobras, mas continua incidindo nos preços. Em Florianópolis, entidades do setor estimam que a gasolina possa chegar a R$ 7 no segundo semestre.

Concursos públicos em SC: veja vagas abertas em agosto, salários e como se inscrever

Como tentar reduzir os gastos?

Como lidar com os preços que aumentam tanto e o salário que nem sempre acompanha essas altas? O especialista Jurandir Sell reconhece que para quem já está com a “corda esticada”, fica cada vez mais difícil escapar dessas altas apenas com medidas simples no dia a dia, e defende um recado para as classes mais altas que possam ajudar as camadas mais pobres nesse momento.

Ainda assim, para a economista da Udesc Esag, Ivoneti Ramos, algumas dicas podem ajudar a economizar na energia elétrica e na gasolina, por exemplo:

- Pesquisa de preços pela internet, de produtos que possam substituir itens que aumentaram muito;

- reduzir o tempo dos banhos;

- utilizar lâmpadas de LED e apagá-las quando não estiverem em uso

- passar roupas todas de uma vez só

- não deixar aparelhos ligados na tomada em stand by

- Adotar a carona para reduzir gastos com carro

Controle da Covid pode ser alento contra alta de preços

Para os próximos meses, Jurandir Sell aponta que o controle da doença é bastante importante e pode ser um alento ao país, retomando consumo em bares e restaurantes, geradores de emprego, e fortalecendo a indústria.

Ivoneti Ramos também indica que a retomada aos poucos da economia após a vacinação pode trazer algum controle à disparada de preços.

– O aumento da taxa Selic atrai mais investidores externos, com isso circula mais dólar no país, baixando o câmbio. Isso auxilia a reduzir a pressão sobre matérias-primas importadas. Mas vale lembrar que ainda estamos em pandemia, a vacina ainda está em andamento, então o cenário de muita incerteza com relação a desdobramentos. É fundamental que as famílias façam seus ajustes orçamentários considerando um prazo maior – orienta.

Leia também

Estado gera 126 mil empregos em 2021, mas pandemia ainda afeta trabalhadores

Bolsonaro sobre taxar grandes fortunas: "É crime ser rico no Brasil?"

Agricultura trabalha em alternativas para elevar oferta de milho em SC

Colunistas