nsc
dc

Tragédia

Vizinhos tentaram salvar família de incêndio em Florianópolis e relatam gritos e comoção

Moradores do bairro Capoeiras tentaram derrubar o muro da casa; pai e dois filhos de sete anos morrerem

12/01/2022 - 13h07 - Atualizada em: 12/01/2022 - 15h12

Compartilhe

Catarina
Por Catarina Duarte
Família vítima de incêndio morava na casa há dois anos
Família vítima de incêndio morava na casa há dois anos
(Foto: )

De início, Igor da Silva, 25 anos, pensou que o barulho que escutou vindo da rua fosse de uma discussão entre familiares. Mesmo assim foi verificar a origem da gritaria. Foi naquele momento que ele se deparou com fogo consumindo a casa vizinha. A mãe dele ligou para os bombeiros às 20h de terça-feira (11). 

Antes mesmo que os três caminhões dos socorristas chegassem à Rua Irmã Bonavita, em Capoeiras, em Florianópolis, as chamas já tinham invadido todos os cômodos do imóvel de madeira. Três pessoas morreram. O pai de 56 anos e dois filhos de sete. O relato é de que o incêndio não demorou muito para destruir tudo.

> Receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp

— Em menos de 15 minutos a casa foi embora. Foi tudo muito rápido — conta Igor.

Quando viram o fogo, os moradores da rua tentaram derrubar o portão de ferro. Cinco homens se debruçaram sobre a estrutura, que mesmo assim não cedeu. Pulando o muro, o grupo conseguiu resgatar um dos cachorros da família. O pitbull Eros, que ficava sempre preso na parte externa da casa, próximo da estrutura metálica, foi levado em meio ao incêndio para a casa de um vizinho.

O trabalho dos bombeiros seguiu durante a noite. Primeiro de combate ao incêndio e após o rescaldo para evitar novos focos. Das janelas, os vizinhos torciam para que a família que ali morava tivesse saído antes do incêndio. A rua larga foi tomada por uma multidão que também se juntou na torcida por um resgate. 

Com o avanço da noite, os socorristas tiveram que usar lanternas para continuar os trabalhos. Foi neste momento que encontraram os corpos dos familiares. Os três estavam no que era a cozinha da casa de cinco cômodos. A Polícia Científica, antigo Instituto Geral de Perícias (IGP), foi acionada para a remoção dos corpos.

A cena não saiu da cabeça dos vizinhos, que relatam o ambiente de comoção no entorno da comunidade. Enquanto acompanhavam o trabalho de perícia da Defesa Civil na manhã desta quarta-feira (12), um grupo lembrava o terror das imagens que viram durante a noite e madrugada.

— Ninguém conseguiu dormir — disse uma mulher aos vizinhos que em sequência relataram o que estavam fazendo na hora em que o fogo começou.

Um correu para rua e se juntou aos que tentavam derrubar o portão. O outro pegou o carro e foi até o posto da Polícia Rodoviária pedir ajuda. Uma senhora que não quis se identificar relatou à reportagem que havia brincado com as crianças naquela manhã.

— É só fechar o olho que me vem na cabeça a imagem deles saindo daqui naquele carro [do IGP] — falou.

As marcas do incêndio podem ser vistas também nas duas casas ao lado. Na residência onde Igor mora com a família, uma parede rosa ficou preta. Já o imóvel à direita, teve parte do telhado atingido. O morador passou a manhã removendo as cinzas que também invadiram o quintal. 

Família morava no local há dois anos

Na casa viviam cinco pessoas. O imóvel era alugado e, segundo os donos, passou por reforma antes da entrada dos inquilinos.

No tempo que morou ali, a família enfrentou outra perda. A mãe morreu há um ano e desde então o pai cuidava sozinho dos filhos.

— Eu fiquei mais triste com a morte das crianças e dele. Não por causa dos materiais. Eu estava só rezando para que não tivesse ninguém dentro — afirmou Márcio Luiz Pedrozo, 60 anos, proprietário da casa.

Do imóvel, restou apenas a escada da entrada e uma espécie de edícula de alvenaria que ficava nos fundos. Brinquedos, fotos, roupas e até um segundo cachorro da família foram consumidos pelas chamas.

Casa foi interditada pela Defesa Civil nesta quarta-feira (12)
Casa foi interditada pela Defesa Civil nesta quarta-feira (12)
(Foto: )

Caso é investigado pela Polícia Civil

A Polícia Civil investiga o incêndio. Um inquérito foi instaurado na manhã desta quarta para apurar as causas do fogo e se a ação foi criminosa. Laudos do Corpo de Bombeiros são esperados para ajudar nas investigações. O caso ficará a cargo da Delegacia do Continente.

A Defesa Civil interditou o imóvel nesta quarta. Após avaliação a estrutura foi considerada condenada. Os donos da casa serão notificados.

Os corpos não tinham sido liberados do Instituto Médico Legal até a manhã desta quarta. Assim, não foram divulgadas informações sobre o velório das vítimas.

Veja fotos do incêndio

Leia também 

Homem destrói carro a machadadas ao ser abordado pela Guarda de Trânsito em Blumenau; vídeo

Funcionário é flagrado furtando quase R$ 50 mil em mercadorias do patrão em SC

Assaltante ironiza vítima, pede para formatar o celular roubado e foge com cervejas em SC; vídeo

Colunistas