nsc
dc

Ensino

Chapecó e Joaçaba analisam situação de professores e escolas para definir volta às aulas

Mesmo com retorno autorizado pelo Estado para 13 de outubro, municípios não têm definição

11/09/2020 - 18h10 - Atualizada em: 11/09/2020 - 18h11

Compartilhe

Lucas
Por Lucas Paraizo
Volta às aulas
Estado prevê retorno inicialmente para aulas de reforço
(Foto: )

A indefinição sobre a volta às aulas em Santa Catarina permanece também na região Oeste do Estado. Com a previsão de retomada das aulas em 13 de outubro e as diretrizes para a educação publicadas pelo governo de Santa Catarina na quarta-feira (9), os municípios continuam planejando o cenário de reabertura das escolas.

> Plano de volta às aulas em SC prevê uso de máscara e distanciamento nas escolas; confira detalhes

Em Chapecó, o foco está na análise da situação de cada escola. Uma nota divulgada pela Secretaria Municipal de Educação ressalta que a partir do plano divulgado pelo Estado, novas reuniões serão organizadas para alinhar as diretrizes ao atendimento nas escolas municipais, “considerando o contexto de cada instituição”.

Conforme a prefeitura, a comissão que estuda a volta às aulas em Chapecó está trabalhando desde o início de julho. No momento, o grupo está analisando o quadro funcional da educação na cidade, para fazer um levantamento sobre os professores que estão no grupo de risco e amenizar os impactos da ausência deles em uma possível retomada das aulas presenciais.

A Secretaria de Educação ressalta também que “ainda não se tem uma data definida para retorno” e que a decisão vai passar pela situação da pandemia em Chapecó.

Em Joaçaba, no Meio Oeste, a situação é parecida. A prefeitura formou em agosto uma comissão membros da Saúde, Educação, Defesa Civil, Procuradoria Jurídica e Conselho Tutelar, e o grupo está estudando o protocolo de volta às aulas.

Durante as últimas semanas, a comissão tem focado em visitar as escolas de Joaçaba e analisar a estrutura física e a rotina de fluxo de pessoas, como o deslocamento de professores e alunos. A ideia é ver a melhor maneira de garantir a segurança sanitária em um possível retorno, além dos pontos básicos como a distribuição de álcool em gel e uso de máscaras.

> Pesquisa em Joinville e região: nas escolas municipais, maioria dos pais não mandaria filhos de volta às aulas

Colunistas