nsc
nsc

JUDICIÁRIO

Celesc e Aneel têm 72 horas para explicar à Justiça Federal o reajuste na conta de luz

Compartilhe

Ânderson
Por Ânderson Silva
28/08/2020 - 06h44
Reajuste acima da inflação repercutiu em Santa Catarina
Reajuste acima da inflação repercutiu em Santa Catarina (Foto: Celesc, Divulgação)

A Justiça Federal de Florianópolis quer ouvir a Celesc e a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Em despacho nesta quinta-feira (28), o juiz federal Leonardo Cacau Santos La Bradbury deu o prazo de 72 horas para que os dois órgãos expliquem o aumento médio de 8,14% nas contas de luz em Santa Catarina. O magistrado quer o posicionamento antes de decidir sobre o pedido liminar do Procon, através da Procuradoria-Geral do Estado (PGE), para a suspensão liminar do aumento.

Alesc aprova proibição de reajuste de contas de água, luz e gás durante pandemia em SC

La Bradbury aplicou o teor do artigo 2º da lei 8.437/92, que diz: "no mandado de segurança coletivo e na ação civil pública, a liminar será concedida, quando cabível, após a audiência do representante judicial da pessoa jurídica de direito público, que deverá se pronunciar no prazo de setenta e duas horas".

As partes devem ser intimadas com urgência. Com a resposta da Aneel e da Celesc é que o juiz vai se manifestar sobre a liminar.

Posicionamento do Procon e da PGE

coluna teve acesso ao pedido judicial feito pela PGE com base na reclamação do Procon. Segundo a ação, "resta claro o direito da população do Estado de Santa Catarina de não ser submetida ao aumento nos preços da energia elétrica, bem como a ilegalidade e o abuso do direito corporificados no reajuste, autorizado pela ANEEL e em vias de ser consumado (se já não o foi, no momento da análise do pedido de liminar) pela CELESC DISTRIBUIÇÃO S. A.".

Para a procuradoria, o aumento da tarifa de energia elétrica, em tempos de pandemia e crise econômica "atingirá a milhões de pessoas de forma direta e inquestionável, impactando no orçamento de famílias e empresas de maneira perversa, com prejuízos que jamais serão recompostos, inclusive para os setores produtivos de Santa Catarina".

O reajuste, de acordo com o Procon, foi de 350% acima da inflação. A Celesc justifica, entre outros motivos, que o preço do dólar aumentou os gastos com a compra de energia na Usina de Itaipu durante o período.

Leia também:

Veto a reajuste de servidores públicos: como votaram os senadores catarinenses

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Mais colunistas

    Mais colunistas