A desistência de Luciano Hang de concorrer ao Senado Federal nas Eleições 2022 mexe bem com o jogo político em Santa Catarina. A interferência principal é justamente na disputa pelo Senado, que até então tinha em Hang um bicho papão para os interessados. Agora não há mais favorito. Isto torna a vaga nas chapas para o posto de senador um atrativo outra vez.

Continua depois da publicidade

> Receba notícias de Blumenau e do Vale pelo WhatsApp​ 

O prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro (União Brasil), por exemplo, pode ganhar força nesta opção caso não consiga viabilizar o seu principal objetivo que é o de concorrer ao governo do Estado. Para o petebista Kennedy Nunes a notícia também é boa. Tanto ele quanto Hang disputariam votos entre os bolsonaristas.

Já para o senador Jorginho Mello (PL) é meio a meio: enquanto ele deve estar feliz que não fechou a chapa com João Rodrigues, Clésio Salvaro e Hang, havia a possibilidade de que o dono da Havan se filiasse ao PL. Indiscutivelmente, seria um reforço e tanto para as pretenções do senador na corrida ao governo de Santa Catarina.

Continua depois da publicidade

Por fim, outro nome que se fortalecesse caso deseje disputar o Senado é o ex-governador Raimundo Colombo. Casa chapa entre União Brasil e PSD se concretize, Gean e Colombo terão que decidir quem fica com o que. Um vai disputar o Senado e o outro o governo do Estado.

Nome da esquerda

Por enquanto, somente o PSOL demonstrou interesse em lançar um candidato. O vereador de Florianópolis, Afrânio Boppré, se coloca como o nome para entrar na disputa. No entanto, a frente de esquerda começa a ganhar corpo tendo dois pré-candidatos ao governo: Décio Lima e Dario Berger. Um deles pode acabar ficando com a disputa pelo Senado.

Leia também:

Governo Moisés terá secretários de “transição” no lugar dos nomes que vão concorrer; entenda

Podemos vai filiar secretários de Moisés e entrar no projeto de reeleição do governador

João Rodrigues desiste de concorrer ao governo de SC; veja vídeo

Destaques do NSC Total