nsc
nsc

Educação

Definidas as cidades de SC que vão receber modelo de escolas cívico-militares

Compartilhe

Ânderson
Por Ânderson Silva
01/11/2019 - 13h51 - Atualizada em: 01/11/2019 - 17h03
Escola Emérita Duarte Silva e Souza, em Biguaçu, foi indicada pelo Estado a receber o modelo (Foto: Ricardo Wolffenbuttel / Secom)
Escola Emérita Duarte Silva e Souza, em Biguaçu, foi indicada pelo Estado a receber o modelo (Foto: Ricardo Wolffenbuttel / Secom)

ATUALIZAÇÃO: Após publicação da coluna, o governo do Estado anunciou nesta sexta-feira a sua segunda escola escolhida para fazer parte do projeto. Ela ficará em Palhoça. No caso de Chapecó, segundo a secretaria de Educação, o governo procurou a pasta para que a unidade seja estadual.

Além de Biguaçu, já indicada pelo governo do Estado para ter uma escola dentro do modelo cívico-militar do governo federal, outras três cidades vão receber o projeto do Ministério de Educação (MEC).

A informação foi repassada pelo ministro Abraham Weintraub, nesta sexta-feira, em reunião com os deputados Rogério Peninha Mendonça (MDB) e Hélio Costa (Republicanos). Além disso, o governo do Estado divulgou a segunda cidade escolhida pela pasta para adotar a estratégia do governo federal. Segundo o anúncio, escolas de Itajaí, Chapecó e Palhoça serão as contempladas na primeira etapa do programa. A primeira deve ser uma unidade municipal, enquanto as outras duas são escolas estaduais.

No caso de Palhoça, a escolhida pelo governo catarinense foi a nova unidade do bairro Bela Vista, a Escola Professor Ângelo Cascaes Tancredo. Ela será aberta a partir de 2020, com capacidade para 400 alunos por turno.

Treze cidades catarinenses demonstraram interesse em participar do programa. São elas: Chapecó, Itajaí, Jaraguá do Sul, Camboriú, Araranguá, Campos Novos, Correia Pinto, Curitibanos, Fraiburgo, Joaçaba, Vargem, Xanxerê e Caçador.

A Capital catarinense decidiu não aderir ao projeto. Segundo a prefeitura, dois motivos embasaram a decisão de a cidade recusar ao convite enviado pelo ministério para todos os municípios e Estados.

Um dos requisitos é que ao menos 26 militares das Forças Armadas – 20 praças e 6 oficiais – morem na cidade. Policiais e bombeiros militares estaduais também poderão integrar o projeto. Outro critério é a necessidade de a escola estar instalada em área de vulnerabilidade social. Além disso, a comunidade escolar precisa aprovar a proposta.

O trabalho dos militares internamente será de disciplina. A estrutura escolar continua sendo administrada pelos profissionais da rede de educação, seja ela municipal ou estadual.

Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC.

Deixe seu comentário:

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Últimas do colunista

Loading interface...
Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Mais colunistas

    Mais colunistas