nsc
nsc

Educação

Definidas as cidades de SC que vão receber modelo de escolas cívico-militares

Compartilhe

Ânderson
Por Ânderson Silva
01/11/2019 - 13h51 - Atualizada em: 01/11/2019 - 17h03
Escola Emérita Duarte Silva e Souza, em Biguaçu, foi indicada pelo Estado a receber o modelo (Foto: Ricardo Wolffenbuttel / Secom)
Escola Emérita Duarte Silva e Souza, em Biguaçu, foi indicada pelo Estado a receber o modelo (Foto: Ricardo Wolffenbuttel / Secom)

ATUALIZAÇÃO: Após publicação da coluna, o governo do Estado anunciou nesta sexta-feira a sua segunda escola escolhida para fazer parte do projeto. Ela ficará em Palhoça. No caso de Chapecó, segundo a secretaria de Educação, o governo procurou a pasta para que a unidade seja estadual.

Além de Biguaçu, já indicada pelo governo do Estado para ter uma escola dentro do modelo cívico-militar do governo federal, outras três cidades vão receber o projeto do Ministério de Educação (MEC).

A informação foi repassada pelo ministro Abraham Weintraub, nesta sexta-feira, em reunião com os deputados Rogério Peninha Mendonça (MDB) e Hélio Costa (Republicanos). Além disso, o governo do Estado divulgou a segunda cidade escolhida pela pasta para adotar a estratégia do governo federal. Segundo o anúncio, escolas de Itajaí, Chapecó e Palhoça serão as contempladas na primeira etapa do programa. A primeira deve ser uma unidade municipal, enquanto as outras duas são escolas estaduais.

No caso de Palhoça, a escolhida pelo governo catarinense foi a nova unidade do bairro Bela Vista, a Escola Professor Ângelo Cascaes Tancredo. Ela será aberta a partir de 2020, com capacidade para 400 alunos por turno.

Treze cidades catarinenses demonstraram interesse em participar do programa. São elas: Chapecó, Itajaí, Jaraguá do Sul, Camboriú, Araranguá, Campos Novos, Correia Pinto, Curitibanos, Fraiburgo, Joaçaba, Vargem, Xanxerê e Caçador.

A Capital catarinense decidiu não aderir ao projeto. Segundo a prefeitura, dois motivos embasaram a decisão de a cidade recusar ao convite enviado pelo ministério para todos os municípios e Estados.

Um dos requisitos é que ao menos 26 militares das Forças Armadas – 20 praças e 6 oficiais – morem na cidade. Policiais e bombeiros militares estaduais também poderão integrar o projeto. Outro critério é a necessidade de a escola estar instalada em área de vulnerabilidade social. Além disso, a comunidade escolar precisa aprovar a proposta.

O trabalho dos militares internamente será de disciplina. A estrutura escolar continua sendo administrada pelos profissionais da rede de educação, seja ela municipal ou estadual.

Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC.

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Mais colunistas

    Mais colunistas