nsc
nsc

Opinião

O papel dos políticos de SC na crise institucional brasileira

Compartilhe

Ânderson
Por Ânderson Silva
11/09/2021 - 05h04
Crise institucional brasileira se acentuou a partir do 7 de setembro
Crise institucional brasileira se acentuou a partir do 7 de setembro (Foto: Futura Press/Folhapress)

Santa Catarina não pode se eximir da crise institucional brasileira. A alta aprovação popular e o apoio dos políticos catarinenses ao presidente da República, Jair Bolsonaro, são ingredientes importantes para a perpetuação de movimentos como os registrados na última semana. Isso ocorre, principalmente, no caso de membros da bancada federal catarinense e até do Executivo, como a vice-governador Daniela Reinehr, que foram aos palanques em diferentes locais do país no 7 de setembro, mas nos dias seguintes não deram as caras para explicar os efeitos sentidos pela população como o desabastecimento de combustíveis para os cidadãos.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

O clima de festa em torno de Bolsonaro perpetuado pelos políticos de SC destoa da realidade. Os nossos representantes são responsáveis, sim, pela forma com que o presidente age quando dão palco para manifestações antidemocráticas e, ao mesmo tempo, não reagem de forma dura diante daquilo que prejudica as pessoas.

Por isso é que chegou o momento de SC fazer um “mea culpa” e analisar o seu papel na crise atual. O ambiente de redes sociais, onde os representantes apenas publicam posições para agradar o eleitorado, precisa ser substituído por ações reais capazes de impactar verdadeiramente a vida das pessoas.

Não há mais espaço para devaneios e buscar por “likes". A corrida desenfreada por combustíveis e alimentos revelou para os catarinenses que qualquer movimento gerado de forma desordenada impacta na economia e nas rotinas. Os eleitos por SC que dão aval aos discursos capazes de causar crises também precisam estar cientes dessa realidade. Acabou o tempo do “oba-oba”. A população não pode ser mais refém de crises criadas que desestabilizam principalmente quem está na ponta mais fraca.

Efeito reverso

Fila em posto de combustível durante a semana em Santa Catarina
Fila em posto de combustível durante a semana em Santa Catarina
(Foto: )

A ideia do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de se fortalecer com os protestos de 7 de Setembro teve uma virada drástica. Em 24 horas, manifestações de caminhoneiros complicaram a vida dos brasileiros e geraram uma onda de repercussão negativa para o governo federal, o principal causador do movimento. A principal imagem da semana vem dos postos de combustíveis, lotados por pessoas preocupadas com o fim da gasolina, que deixou de circular das refinarias até os estabelecimentos. Para quem pensa em reeleição no ano que vem, esse é um peso grande.

Leia também:

Manifestações atrasam envio de vacinas do Ministério da Saúde a SC

Quem faz parte do Conselho da República que Bolsonaro quer convocar

Precisa renovar a CNH? Confira as datas

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Mais colunistas

    Mais colunistas