nsc
nsc

Investigação

Presidente da Alesc, Julio Garcia é indiciado por quatro crimes na operação Alcatraz

Compartilhe

Ânderson
Por Ânderson Silva
14/10/2019 - 20h12 - Atualizada em: 14/10/2019 - 21h11
(Foto: Tiago Ghizoni/NSC Total)
(Foto: Tiago Ghizoni/NSC Total)

Em dois relatórios entregues nesta segunda-feira (14) à Justiça Federal, a Polícia Federal (PF) indiciou mais 21 pessoas dentro da operação Alcatraz. Entre elas está o presidente da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), o deputado estadual Julio Garcia (PSD). Ele foi indiciado pelos crimes de fraude em licitação, integrar organização criminosa, corrupção ativa e ocultação de bens.

O primeiro deles, onde Julio Garcia aparece, detalha indícios de fraude numa licitação da secretaria de administração e seus atos seguintes, entre 2015 e 2018. São alvos dos indiciamentos empresários, agentes públicos e servidores. Segundo a PF, a investigação apontou um prejuízo, em valores atualizados, de R$ 1,4 milhão em contratos ligados à área de tecnologia. O mesmo relatório ainda detalha indicativos de crimes de lavagem ou ocultação de bens.

No segundo relatório, o alvo é uma licitação da Procuradoria Geral do Estado (PGE) feita em 2015, também superfaturada, de acordo com a PF. Assim como no primeiro caso, a licitação era para um contrato da área de tecnologia.

Os dois relatórios se somam as outros quatro já concluídos desde 30 de maio, quando foi deflagrada a ação contra uma suposta organização criminosa que atuaria dentro da secretaria de Administração do Estado e da Epagri. Duas pessoas continuam presas em Florianópolis. Nos relatórios concluídos nesta segunda, há 20 fatos com evidências de práticas criminosas.

Mais prazo

A juíza federal Janaína Cassol Machado havia concedido prazo até esta segunda-feira, 14 de outubro, para a conclusão do inquérito. A PF pediu novamente a prorrogação das investigações "em relação a outros fatos em apuração".

Quem acompanha a operação nos bastidores estima que ainda há muito trabalho pela frente para os agentes. Nos próximos passos, o Ministério Público Federal (MPF) deve se manifestar sobre os indiciamentos e decidir pelo oferecimento ou não da denúncia.

Contraponto

À coluna, Julio Garcia contestou todos os crimes e disse que "há exagero" nos indiciamentos: "Meus bens estão todos muitos claros, a própria Polícia Federal tem essas informações. Sobre a organização criminosa, é impossível haver sustentação ou qualquer prova em relação a isso. Não há uma prova sequer sobre fraude em licitação, não há uma linha sequer que comprove que eu tenha participado de qualquer coisa". Ele também negou o crime de corrupção e disse que está tranquilo de que será inocentado.

Leia também

TRF4 nega terceira tentativa de Julio Garcia para ser retirado da operação Alcatraz

Ex-presidente da Epagri tem fiança reduzida, mas precisará usar tornozeleira eletrônica

Julgamento de competência pode causar reviravolta na operação Alcatraz

Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC.

Deixe seu comentário:

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Últimas do colunista

Loading interface...
Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Mais colunistas

    Mais colunistas