Os Vinhos de Altitude Catarinense finalmente conquistaram o selo de Indicação Geográfica (IG), concedido no dia 29 de junho de 2021 pelo INPI – Instituto Nacional da Propriedade Industrial. A qualidade dos vinhos finos produzido em toda a região foi reconhecida devido às características de solo, altitude, clima, variedade de uvas e por técnicas de cultivo. As informações são da Epagri, órgão que pesquisa sobre o cultivo de uvas viníferas no Estado.

Continua depois da publicidade

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

> Veja outras dicas e receitas do Beto Barreiros

A conquista de Indicação Geográfica destaca que os Vinhos de Altitude produzidos na região são diferenciados dos outros produzidos no país. Por meio do selo, os Vinhos de Altitude tem potencial de agregar valor econômico e da conquista de novos mercados. A concessão da IG coroa um trabalho de mais de 30 anos de pesquisa em torno da produção de vinhos finos em Santa Catarina.

Os produtos reconhecidos são os vinhos finos, vinhos nobres, vinhos licorosos, espumante natural e vinho moscatel, e o brandy de Santa Catarina. O selo do INPI reconhece os Vinhos de Altitude produzidos em área delimitada, dos municípios catarinenses: Rancho Queimado, Anitápolis, Alfredo Wagner, Bom Retiro, Urubici, Bom Jardim da Serra, São Joaquim, Urupema, Painel, Lages, Capão Alto, Campo Belo do Sul, São José do Cerrito, Vargem, Brunópolis, Curitibanos, Frei Rogério, Monte Carlo, Tangará, Fraiburgo, Pinheiro Preto, Videira, Rio das Antas, Iomerê, Arroio Trinta, Santo Veloso, Treze Tílias, Macieira, Caçador, Vargem Bonita e Água Doce. 

Continua depois da publicidade

> Vinhos de altitude de SC: duas décadas e futuro promissor com o enoturismo

> Vinho Taipa Mayer: de Florianópolis para a Serra catarinense

São mais de 22 vinícolas associadas, e mais de 80 viticultores, que produzem os vinhos de uvas viníferas no território delimitado. 

Destaques do NSC Total