nsc
nsc

vai a leilão

Caixa para os portos é “zero”, diz secretário de Bolsonaro em audiência sobre o Porto de Itajaí

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
25/08/2021 - 13h48 - Atualizada em: 25/08/2021 - 18h03
Porto de Itajaí
Porto de Itajaí (Foto: Divulgação)

O secretário Nacional de Portos e Transportes Aquaviários, Diogo Piloni, disse em Itajaí nesta quarta-feira (25) que as verbas federais para os portos brasileiros acabaram. A afirmação foi feita durante a apresentação dos estudos sobre a desestatização do Porto de Itajaí, prevista para ser concluída em 2022.

Receba as principais informações de Santa Catarina pelo Whatsapp

- O caixa é zero para os portos – afirmou o secretário. 

Piloni falou sobre o cenário de restrição fiscal da União e de muitos estados, que prejudica os investimentos. Em 2020, o Ministério da Infraestrutura executou 99,8% do orçamento. Para 2021, a pasta informou que tem cerca de R$ 7 bilhões em orçamento discricionário, que é a verba disponível para obras em rodovias, ferrovias, portos e aeroportos, em todo o país.

O secretário apresentou os investimentos mais recentes feitos pela União no Porto de Itajaí. Foram R$ 650 milhões entre 2010 e 2018, entre obras de dragagem e infraestrutura. Desde então, não houve aplicação de recursos federais no terminal. O secretário disse que o governo não tem mais disponibilidade para arcar com os investimentos que são necessários para garantir a viabilidade econômica do terminal a médio prazo.

Prédio balança em Balneário Camboriú com vento e causa "ondas" em triplex de R$ 17 milhões

O governo federal propõe a concessão total do Porto de Itajaí, incluindo administração e infraestrutura portuária, que hoje têm gestão municipalizada. A ideia é manter apenas a propriedade dos ativos como patrimônio da União. A proposta é contestada pela prefeitura de Itajaí, que lançou um movimento a favor da manutenção da autoridade portuária municipal.

O argumento da Secretaria Nacional de Portos para defender a concessão total é garantir maior “flexibilidade de gestão” à empresa que administrar o Porto de Itajaí. Piloni disse que esse é um dos quatro pilares para que o processo seja bem-sucedido, junto com segurança jurídica, disponibilidade de áreas, eficiência e rentabilidade.

Variante Delta em SC traz risco para todas as idades e pode lotar sistema de saúde, diz nota de alerta

Os estudos do governo federal propõem um edital de concessão com R$ 2,8 bilhões em investimentos – do total, R$ 1 bilhão para os primeiros três anos, com desapropriação e aumento da área retroportuária e aquisição de novos equipamentos.

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas