nsc
nsc

Opinião

Case de sucesso contra AIDS, Itajaí não merecia passar vergonha com aplicação retal de ozônio

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
04/08/2020 - 12h17 - Atualizada em: 04/08/2020 - 14h51
Volnei Morastoni anuncia tratamento com ozônio
Volnei Morastoni anuncia tratamento com ozônio (Foto: Reprodução)

O anúncio do prefeito Volnei Morastoni (MDB), de que introduzirá a aplicação retal de ozônio como parte do tratamento para Covid-19 em Itajaí, levou a cidade a figurar entre os assuntos mais comentados – e as piadas – do Twitter. De anônimos a famosos, de influenciadores a políticos. Quem pode, tira uma casquinha.

O site do jornal britânico The Guardian citou o tratamento inusitado. E até o ex-prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, fez graça com a iniciativa catarinense. Em tom de campanha, prometeu não repetir a experiência com os cariocas.

> Quer receber notícias por WhatsApp? Inscreva-se aqui

> Prefeito de Itajaí sugere aplicação retal de ozônio para tratar coronavírus

Itajaí não merecia passar essa vergonha. A cidade que entrou na pauta de todo o país (e do mundo) nesta manhã vive um período de reconciliação com seus valores e sua identidade. Depois de ter ficado conhecida, décadas atrás, por liderar o ranking de HIV/Aids no país, deixou o rótulo e a liderança para trás. Reconstruiu-se após a pior enchente de sua hitória recente, que deixou 80% do território embaixo d´água. E, depois de ter virado as costas para o rio que lhe deu o nome, encontrou seu potencial turístico.

Itajaí é uma cidade em plena redescoberta, com novas matrizes econômicas em desenvolvimento e as antigas atividades potencializadas. É sede de um dos maiores complexos portuários brasileiros, junto com a vizinha Navegantes, e carrega o título de maior polo pesqueiro do Brasil, de onde sai o pescado que abastece boa parte do país. Nos últimos anos, conquistou a maior renda per capita de Santa Catarina e o segundo maior PIB do Estado.

> Confira os detalhes do avanço do coronavírus em SC em um mapa interativo

Itajaí tem uma indústria náutica expressiva e uma indústria naval offshore de primeira linha – prova disso é a escolha para sediar a construção de fragatas para a Marinha do Brasil, que está prestes a iniciar. É a cidade do maior Festival de Música de Santa Catarina e de um dos mais conhecidos festivais de teatro do Sul do país. Das praias feitas para o surfe e das construções históricas.

A pandemia, no entanto, a levará a ser lembrada pela aposta em políticas públicas experimentais, sem respaldo científico, que fizeram a cidade virar piada nacional. Enquanto o Brasil inteiro acha graça da mais nova iniciativa para tentar conter a doença, a Covid-19 não dá trégua e já ceifou a vida de mais de 100 itajaienses. E isso não tem graça. Itajaí não merecia passar essa vergonha. E muito menos viver essa tragédia.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas