nsc
    nsc

    Economia

    Cidades correm risco de perda milionária na arrecadação em SC por movimentação de combustível

    Compartilhe

    Dagmara
    Por Dagmara Spautz
    25/01/2021 - 06h00
    Itajaí (foto), Guaramirim e Biguaçu correm risco de perder Valor Adicionado
    Itajaí (foto), Guaramirim e Biguaçu correm risco de perder Valor Adicionado (Foto: Marcos Porto, Divulgação prefeitura de Itajaí)

    As prefeituras de Itajaí, Biguaçu e Guaramirim estão encampando uma batalha para não perderem valores milionários na arrecadação de impostos. O problema ocorre na validação do Valor Adicionado - o que cabe de retorno ao município em relação à circulação de mercadorias. 

    > Reforço no Fisco ajudou a superar meta de arrecadação no Estado

    Nesse caso, diz respeito ao combustível que chega às três cidades por meio de oleodutos, para distribuição. Só Itajaí pode deixar de arrecadar R$ 45 milhões nos próximos dois anos, devido a uma decisão do grupo que define o retorno às prefeituras.

    > Anderson: Arrecadação de Santa Catarina em 2020 ultrapassa o valor estimado

    Estela: Santa Catarina se despede do ano difícil com alta na arrecadação de impostos

    Como funciona

    Os três municípios – Itajaí, Guaramirim e Biguaçu - têm unidades da Petróleo Brasileiro SA, que são os terminais de distribuição de combustíveis em SC. As cidades recebem combustível que vem da refinaria em Araucária, no Paraná, por meio de oleoduto. Essa movimentação de entrada e saída gera Valor Adicionado para os municípios.

    > SC tem suspeita de ‘fura-filas’ da vacina contra Covid-19

    Ocorre que o grupo estabelecido para definir o Valor Adicionado, do qual fazem parte gestores públicos municipais e estaduais, entrou em divergência sobre o preço a ser considerado na transferência do combustível da refinaria para os terminais. Ao invés do valor informado na nota fiscal, decidiram levar em conta o preço praticado pela Petrobras na venda às distribuidoras. A diferença fez um rombo na expectativa de arrecadação.

    Queda de braços

    As decisões sobre o Valor Adicionado costumam ser quedas de braço entre os municípios. Ocorre que, quanto maior o ‘bolo’ geral – ou seja, o que não é direcionado a nenhuma cidade - maior a fatia de distribuição. Por isso é natural que uma cidade tente inviabilizar o que outra tem direito a receber. No caso de Itajaí, Guaramirim e Biguaçu, o questionamento foi puxado por Rio Negrinho, no Planalto Norte.

    Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

    Mais colunistas

      Mais colunistas